Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

05
Abr 11

                                Passeio o meu outono
                                na primavera de tua vida,
                                sensível às nuanças de cheiros,
                                claridades, cores e sabores,
                                a ressumbrar das flores
                                que enfeitam teu viver.


                                Inspiro cheiro de rosas,
                                gerânios, flores-do-campo,
                                de açucenas e de lírios,
                                entregando-me ao delírio,
                                ao recolher restos
                                desabados no chão,
                                para tornar perfumados
                                passados amores,
                                de idos caminhos percorridos,
                                em felicidade, carinho e alegria,
                                e em miríades bem formosas.


                                Recolho pétalas de lembrança,
                                despencadas ao chão,
                                inertes fragmentos de flores,
                                relembranças de
                                idealizados amores,
                                irrealizados ramalhetes,
                                umedecidos em
                                furtivas lágrimas de emoção,
                                feito pedaços liquefeitos,
                                brotados em fonte
                                de inexprimível paixão.


                                Passeio o meu outono
                                através da tua primavera,
                                renovando-me também,
                                qual fênix sem vida,
                                morta e outra vez renascida,
                                infensa aos espinhos,
                                de dores e desatinos,
                                entregue tão só
                                a relembranças
                                do que restou.


                                Entre o meu outono
                                e a tua primavera,
                                glacial e quase-eterno,
                                insinuou-se o intruso inverno,
                                mas ainda há canteiros semeados,
                                também mortos e outra vez revividos,
                                para enfeitar de luz,
                                cheiros, flores, cores e ternos amores
                                o meu coração.

publicado por SISTER às 13:35

31
Out 10

Transbordam claridades

em cascatas de luzes.

Do alto, escorrem melodias,

de suave esplendor,

saciando ansiedades,

porque é chegada

a hora do Amor...


Uma fina garoa de perfume

chove sobre nós,

como se fossem

evaporadas lágrimas

de ciúme,

voltando

para festejar

o nosso momento

a sós...


Lá fora,

a vida segue

bordando momentos

de sonhos e sedução,

tricotando alegrias

e fazendo chorar

corações apaixonados,

ansiando alentos,

e iguais instantes de emoção...


De que vale a vida,

em suas viagens

nas asas do sonho

e da ilusão,

se não ouvirmos

sequer um gemido

de esperança

em nosso coração?


Eis aqui o nosso momento,

o nosso presente;

um precioso instante

em que sozinhos

espantamos para longe

a solidão...

Nossos corações

batucam acelerados.

Nossos corpos

e nossas mãos

quais partes desgarradas

e outra vez reunidas,

eternizam o (re)encontro

de nossas almas.


De olhos fechados,

somos sensíveis ao escorrer

de melodias

de suave esplendor

e ao transbordar

de claridades

em cascatas de luzes...

Porque é chegada

a hora em que

o nosso Amor se esparrama,

debaixo da fina garoa

de evaporadas lágrimas

perfumadas,

causando arrepios...

Bem Devagarinho...

publicado por SISTER às 13:06

02
Set 08

Quisera poder desvendar
      do coração os segredos,
      no tênue espaço
      que se interpõe
      entre o amor e a razão,
      entre a saudade e a solidão,
      para ali fazer vicejar,
      sem medos,
      as flores do que sinto,
      e afinal em teu ser
      fazer percorrer
      o arrepio gostoso
      que se irradia
      do tênue instante
      do amar...

 

publicado por SISTER às 07:56

Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO