Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

25
Jan 09

Paradigma.
 
O que seria da morte,
Se não fosse a vida?
 
Existência atrelada,
Concomitância assumida.
 
E então dos olhos do infinito,
Pende esse vínculo inexorável.
 
Afetivo.

 
 

publicado por SISTER às 14:51

20
Jan 09

Noite avara,

Que abraça minha nostalgia.

Dizendo que quando é encanto

Enquanto a relatividade assim se fazia.

Pois se assim jazia

Em um canto o pranto;

Meu sorriso dormia

Nas dobras únicas

Da minha dicotomia.

Noite e dia para espanto,

Bem e mal

E, entretanto:

Um amor assim me impelia.

Nessa profundidade absurda.

Na necessidade absoluta.

De um amor sem fim...

Minha veemência desmedida.

Amordaçada! Ante a candura

Dos teus olhos.


 

publicado por SISTER às 09:00

13
Dez 08

                              Fui, quando você vinha.

                              Vim quando tu foste,

                              Na ponta fria do açoite

                              Estalou o desejo, és minha.




                              No momento de um grito.

                              Nas parábolas deste suor.

                              No frêmito do nosso agito,

                              A tez, lacunas e o rumor.




                              Espaços que se ocupam.

                              Sonhos vestidos de cetim.

                              Impulsos que se ocultam.



                              Essa tua boca tão carmim.


                              Nada mais, a necessidade.

                              Tudo! Nós e a insanidade.


 

publicado por SISTER às 12:31

26
Nov 08

      Jactância das mitocôndrias!

      Eu sou bem mais.

      Além dos ais,

      Miscível em missivas,

      Da matéria sou fugitivo,

      Fustigo sempre a alma

      Com a letra contumaz.

      A calma que acalma a vaga

      Vazia no meu coração.

      Essa caixa de ressonância harmônica,

      Repercutindo; então a atitude dança e lança,

      Nos meus olhos o brilho vivo da esperança.

      Que indica minha presença, meu pacto.

      Onde me adapto para não sublimar

      Nos acordes de uma canção.

      Porque felicidade é um estado de espírito.

      E tristeza um espírito sem estado.

      Abandonado, na incerteza

      Incerta da ilusão.

      Por isso dos meus dias faço sonho.

      Nas minhas horas sou alma,

      E em tantos minutos

      Acabo flertando contigo,

      Minha emoção...

publicado por SISTER às 15:00

23
Nov 08


      Eu estou aqui;

      No intervalo da indiferença,

      Sempre que o descaso

      E sua característica onipresença,

      Vestem a ocasião.

      Estou entre pretextos,

      No meio da desculpa sem jeito;

      Que o olhar tem

      Para fingir que não vê.

      Eu sou um tanto daquilo

      Que você rejeita.

      Um pouco disso que se enjeita,

      Mas bolina o coração.

      Eu embaço o teu espelho,

      Quando no fundo,

      Teu desejo me atrai.

      Na hora que a vontade trai

      Todos os teus princípios.

      Neste momento você me usa.

      Saindo a caça!

      Rumo à vida,

      Atrás de alguns momentos

      Sem opinião.

      

    

publicado por SISTER às 10:51

20
Nov 08

      O colapso na ausência de opinião.

      Sem ti existir não importa,

      Contigo, ser: impossível questão.

      Ver onde a vida se esgota.

      

      A vertigem no amplo vazio.

      Cheio de ausência sem atitude.

      Sorver o sabor do delírio,

      Ir e estar presente em plenitude.

      

      Amo incondicionalmente.

      Vou bem além do amor latente,

      Abraço a raiz da decisão.

      

      Ser sem existir de forma perene.

      A tal incoerência indigente,

      Que se refestela no meu coração.

      

publicado por SISTER às 07:28

03
Out 08

E, portanto do amor fizemos loucura,

            Entre desatinos despidos de pudor.

            Assim em êxtase a noite se fez aurora.

            No bramir do momento veio o sabor.

            

            Que pairou em essência ao vento.

            Entre olhares surgiu a saudade.

            Apenas um álibi para o argumento,

            Estar contigo vai além da vontade.

            

            Portanto se desejo-te sem limite.

            E todo teu anseio então me aguarda:

            Da paixão foi feito o convite.

            

            Ser no tempo, todo envolvimento.

            Abrir a alma a este sentimento,

            Amar com a força da verdad
e.

            

            

        

publicado por SISTER às 05:25

19
Ago 08

Procuro a razão
      Desta agonia
      Sobrevindo aos dentes
      Quando me tocas
      Então me vejo
      Nas tuas mãos
      E possuindo teu corpo
      Perco-me nesse perfume
      Que emana de ti
      Meu alimento
      Meu tormento
      O flagelo da minha alma
      Que ama esse teu açoite
      Brisa leve
      Ao meu coração...

 

publicado por SISTER às 07:36

16
Ago 08

Hesitei, não correspondi!
      Ah! Esse meu néscio espírito...
      Acuado em contradições
      Sempre denotando o efêmero
      Inferindo incertezas
      Fazendo-me jazer de modo lasso
      Aos teus pés
      Eu o alabardeiro das sensações
      Nego o cânon
      E fujo dos teus olhos
      Apesar da paixão por ti
      Que consome minha alma
      Edaz com só ela!
      Ficando eu em melúrias
      Palavras de um incapaz...

publicado por SISTER às 09:33

11
Ago 08

Eu sei o que é felicidade
      Já vivi estes momentos
      Só de observar ela fluir
      Através do seu corpo
      Extravasar seu espírito
      Não preciso senti-la
      Só perceber no teu sorriso
      Que ela faz morada no seu coração
      Pois para aquele que verdadeiramente ama
      A felicidade mora no amor contido
      Naquele sentimento definido
      No espírito da pessoa amada
      Que mesmo não sabendo de nada
      Só em ser feliz
      Já propagou a felicidade
      Deu um gosto de eternidade
      O tempero exato
      A paz que necessito
      Para apaziguar
      Este coração.



     

publicado por SISTER às 07:12

Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO