Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

06
Out 09

                                Vejo a vida passar lentamente
                                Sinto as feridas sangrar
                                A dor que se apossa em todo o meu ser
                                Do corpo!...
                                Da alma sofrida, esquecida!...
                                Implora o ser
                                No grito silencioso e sufocado...


                                A solidão venenosa
                                Que aos poucos
                                Vai matando em doses homeopáticas...
                                O coração que resiste e teima!...
                                O querer amar, desejar
                                Encontrar seu par...


                                A lágrima rola dolorida, sofrida
                                Tenta lavar a alma, buscar a calma
                                Dizer do amanhã, se haverá
                                Da felicidade sonhar!...
                                Acreditar no amar
                                Ser possível o inatingível, poder tocar
                                O amor sem barreiras, sem fronteiras
                                A entrega total, e ideal...
                                Viver as verdades do real, e normal.


                                Treme a mão que escreve, e chora
                                Tece o verso rimando amor e dor, com ardor!...
                                Sofre o poeta que é amor, sonhador...


                                Dia após dia, meses e anos
                                A vida passa, como nuvem de fumaça!...
                                No futuro a esperança, em ser criança

                                Do passado, lembranças que marcaram
                                No presente a sede de viver, e esquecer.


                                Solidão
                                Algoz que escraviza, e martiriza!...
                                Desejos insatisfeitos, mil loucuras
                                A desilusão destruindo sonhos, ganha espaço...


                                O cristal transparente, lapidado
                                Diz do amor tão inseguro
                                Partindo-se em mil pedaços, em estilhaços
                                Diante da busca incessante, e frustrante
                                Do amor sonhado, e desejado...
                                Da sede insaciável, interminável
                                Do querer que não acontece, e que fenece!


                                Em versos esvai-se a esperança...
                                O amor naufragado na lembrança...


                                
                        

publicado por SISTER às 08:50

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
14
15
16

24

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO