Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

13
Ago 09

      Em repúdio e não me reportando a textos e "balelas" sensacionalistas, exprimo aqui, a opinião, de forma a sedar aqueles que malogram a humanidade indefesa.

      

      Com o respeito que reservo aos amigos e leitores, pronuncio com um misto de orgulho e resignação as contra-especulações de inescrupulosos escritores, sejam jornalistas ou juristas, quanto ao falecimento de Michael Jackson.

      

      Um artista. Um mito. Ícone completo. Invejado. Amado...

      

      Como regra geral de vida, o caráter e a dignidade construída ao longo de uma caminhada ladeada pelos pais nos dá base para indignar-se com performances duvidosas de um mínimo de fineza na educação adquirida.

      

      A morte de Michael Jackson foi cercada por mistérios. A imprensa sensacionalista injeta veneno na opinião pública para, contudo, chamar atenção e assim, aproveitar-se de mentes céticas e influenciáveis e adquirir o famoso "IBOPE".

      

      Não se fala na dor da família, na dor da perda. Simplesmente, especula-se...

      

      Concordar ou discordar é um mero detalhe. A diferença é, no entanto, usar de uma pedestal intitulado de 'respeito'.

      

      Como de costume, sempre aparece algo para azedar e "sujar" facilmente a dor alheia. E isso iniciou a labuta dessa escrita.



      - Que assim seja - Um protesto!

      

      - Quem, em sã consciência, pode falar mal da vida de uma pessoa que somente agora, vive? - só para exemplificar:

        a.. Vivia para o público;
        b.. Infância roubada à luz do dia;
        c.. Espancado e maltratado pelo pai;
        d.. Responsável pelo sustento da família com apenas 06(seis)anos! (pasmem!);
        e.. Não foi comprovada a maledicência em torno do seu nome;
        f.. A principal função era a de enriquecimento ilícito das supostas vítimas;
        g.. Indenização era o alvo principal e não a dignidade;
        h..  Viveu em um mundo que desconhecia;
        i.. Era humilde sim!
        j.. Uma criança grande...
      

      

      Nessa descrição, ajusto aqui o seu carma, que percorrido pelo mundo, sentia a felicidade brotar no palco. Esse era a sua casa de fato. Tentou ser gente, mas não conseguiu.

      

      E ainda hoje, depois de tudo, ouço, aqui a rondar em meus ouvidos, afirmações tímidas e incrustadas de maldade para autopromoção, que o artista não era exemplo digno... Digno de que? Quem aqui é digno de algo mais que ele? Somos iguais perante Deus.

      

      Agora me vem a maior dúvida: quem sois vós, ó abutres promocionais, a ter a ousadia de falar... Que fizeste da tua vida como arte? Que legado deixará? Que nome teu será lembrado? - e nessa negativa, abaixa-se a cabeça...

      

      Não suporto nem de longe, ouvir agruras de formadores de opinião (como assim se intitulam) - para mim são paradigmas mentais.

      

      Uma regra geral da vida no convívio social é a personalidade marcada por faculdade de tensões nos conflitos pré-existentes. Não tenho muito tempo para dispensar frente À TV, mas, outro dia, ouvi de uma cantora (reservarei o nome), quando foi indagada sobre a maldade da língua alheia - "Sinto inveja e pena dessas pessoas - inveja por não ter o tempo dela e pena por desperdiçarem esse precioso tempo com idiotices e bobagens que não levam ao crescimento pessoal."


      Essas pessoas convivem em uma indesejável sociedade de adversários em que todos litigam contra todos, o tempo todo.

      

      O que me vem à mente são sempre os valores que cada um defende para si como princípios básicos de caráter e qualidades intrínsecas.


      Isso implica em um cinismo social de verdadeiros atores em que vivem uma vida de glamour e sambam de sapato branco na lama.

      Pronto. Publiquei aqui a minha indignação com os abutres de plantão.

      

      Meu pedido?

      

        1.. Respeito àqueles que não podem sequer se defender. A morte é algo que se desconhece e não deve ser desafiada. 
        2.. Que ajam dentro dos critérios de humanidade, tendo princípios de boa fé.
      É o meu pensamento e desejo.

      Sempre com todo o respeito, arriscando ser ingênuo,

      mas não me deixando levar pelo receio da tréplica.

publicado por SISTER às 08:15

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16
18
19
20
21
22

29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO