Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

14
Set 07
A manhã estava fria e o céu ainda escuro, quando aquele menino iniciou sua jornada.
                        
                        Tudo a sua volta lhe era estranho e desconhecido. Aquelas árvores enormes, grandes, imensas, que se erguiam para o alto, o mais alto, buscando o além, faziam-no sentir-se fraco, pequenino e muito, muito só!...
                        
                        O menino olhou para a extensão que se abria ante seus olhos e o caminho escabroso. Foi então que sentiu medo e pela primeira vez, chorou!... Neste instante, mãos carinhosas e suaves tomaram-no ao colo e enxugaram suas lágrimas medrosas. Mãos fortes e amorosas que seguraram firmemente sua frágil mãozinha e ajudaram-no a dar os primeiros passos na senda da vida...
                        
                        Foi então que ele sentiu que não estava sozinho mas, que a seu lado, todo o tempo seus dois amigos o estiveram observando para auxiliá-lo no momento preciso. Seus dois companheiros, passo a passo, o acompanharam sorridentes na jornada, abrindo-lhe os olhos para a beleza da vida...
                        
                        Com eles, nesse dia, bem cedo ainda, seus joelhos dobraram-se, reverentes, pela primeira vez, para conversar intimamente com aquele que rege o mundo da vida. Foi nesses primeiros minutos em que, auxiliado pelos seus colegas, ele aprendeu a doçura e a grandeza do amor! Havia tantas coisas para amar! Tantos que ansiavam por amor! Tantos que desejavam ardentemente ver o seu sorriso amoroso! Tantos... Tantas...
                        
                        Os caminhos que se estendiam eram vários, mas seus amigos ajudaram-no a escolher aquele que era o melhor. Quando por vezes ele tentava se desviar, seus dois amados protetores o reconduziam de volta.
                        
                        E, neste caminho, ele conheceu outros, muitos outros companheiros de jornada. E vagarosamente o menino aprendeu a querer-lhes bem, a estender-lhes as mãos após as caídas, a correr-lhes ao encontro quando chamado insistentemente, enquanto que seus companheiros de sempre o seguiam, sorrindo, porque ele já aprendera a amar e a servir.
                        
                        Houve momentos em que, esquecidos de tudo, os três perdiam-se numa gostosa brincadeira, onde só o grande Amor reinava. Havia também instantes em que os caminhos tornavam-se difíceis, terríveis, com o sol causticante queimando-lhes o corpo.
                        
                        O menino sentia-se fraquejar, o sorriso desaparecia e o cansaço e a dor eram imensos. Suas perninhas frágeis sofriam com a jornada, mas as mãos amigas sempre estavam presentes para o impulsionamento de seguir para frente, encorajando-o para o além...
                        
                        As horas passavam céleres, horas aproveitadas no contemplamento das belezas do mundo, instantes de tranquilidade, de paz, de alegria, de aprendizado, de amor, de serviço... Horas de uma vida... únicas... aproveitadas ou perdidas para sempre...
                        
                        Mas, eis que o dia se finda, o sol outrora brilhante e radioso esconde-se, fazendo baixar a calma e serena noite. Os três alcançaram a maior colina, a mais alta...
                        
                        Chega a hora da separação. Lentamente o menino desce, sozinho, o caminho íngreme do outro lado... Seus olhinhos inquietos buscam o ideal, o amanhã... Para trás seus dois velhos companheiros permanecem mudos, seguindo-o com o olhar cheio de amor...
                        
                        E enquanto seus olhares o acompanham, eles pensam no que aprenderam juntos, e sabem que para a frente, além, muito além do que seus olhos podem alcançar, estão vidas a sua espera, vidas frágeis e como a dele, no começo, vidas tristes e desoladas, que não tiveram amigos tão leais como os seus para as guiarem, vidas inúteis que não compreenderam ainda o seu valor e a sua importância, vidas cansadas que necessitam de ajuda e que anseiam por amor e carinho, vidas ainda expiradoras que o encorajarão através do caminho...
                        
                        Eles sabem que nem todos os dias serão serenos e alegres, mas estão certos que além, do outro lado da noite escura e tempestuosa haverá luz a sua espera, luz brilhante que emana da vida do passado.
                        
                        Dermeval Pereira Neves
publicado por SISTER às 06:22

   Olha os meus dedos
                        caídos
                        na ponta das minhas mãos
                        como débeis flores
                        já murchas
                        de um jardim abandonado
                        secando ao sol de Verão
                        e ao sincelo bravio
                        que pende agreste e frio
                        gélido
                        sobre meu coração
                        Olha os meus dedos
                        tão tristes
                        desligados, esquecidos
                        da palma da minha mão
                        deles já não brota
                        a luz
                        esfusiante da alvorada
                        e até a poesia
                        anda de mim arredia
                        qual triste moira encantada

                        Nita Ferreira

publicado por SISTER às 06:07

Ah! este coração enamorado
                        que espera por você em cada dia
                        sente sua ausência em desejo
                        para dar sentido ao meu viver.

                        Vem meu amor!
                        traz a ternura da desejada felicidade
                        para unir nossos sonhos e desejos
                        gritantes neste amor feito paixão.

                        Sonho esperando a ternura da sua voz
                        que me brinda o amor, e leva a solidão
                        num encontro de lábios sorrindo...
                        para sermos namorados toda a vida.

 Adelia Mateus
publicado por SISTER às 06:07

  No espaço
                        vagueiam sílabas
                        tanta palavra esquecida
                        largadas foram em voo
                        quando eram rima e poema
                        e agora de asa ferida
                        quero abraçar cada uma
                        juntá-las numa canção
                        mas frágeis
                        e moribundas
                        quase perderam a vida
                        e acenam-me que não

                        Nita Ferreira
publicado por SISTER às 06:07

 Agora que o medo alforria a inglória nos covis,
                        na bandeira em luto aonde se desforram as sentenças,
                        da pena que eu não senti, enquanto em punho os fuzis
                        cantavam o hino sepulcro clamando as desavenças.


                        A fumaça negra de acordo com a crua sujidade
                        de vida, e das flores de domingo em campo minado
                        explodindo suma gênese missioneira de maldade.
                        Covardes! Morte e motim em mim, nada aos desgraçados.


                        Assassinos é o que são! Valei-me a Pena de Talião;
                        aglomerando as mentiras e semeando atrocidades,
                        enquanto os políticos assistiam o enterro da nação.
                        Eu cesso a oração! Rezo o código de Hamurabi.


                        Eis a escória condecorada nesse clã de negligentes,
                        se aos humanos dão o direito à vida no fio do corte,
                        sorve a navalha cruel escoando o sangue dos inocentes.
                        Protesto! O indulto que lhe devo é a pena de morte.

                        Sandra Ravanini

publicado por SISTER às 06:07

Sinto o peito
                        Arfando, doendo, maltratando,
                        Instigando.
                        Angústia desvairada adentra
                        Peito afora
                        Sem piedade, sem dó de mim.
                        Saudade é o teu nome
                        Das terras distantes,
                        Berço dos meus encantos
                        Da relva que amacia-me
                        Âmago.
                        Saudades do cheiro da terra,
                        Do mar morno,
                        Das cachoeiras caudalosas
                        Das noites cintilantes,
                        das madrugadas afora...
                        Do verão sempiterno,
                        Do agreste dos meus dias.
                        Lembranças desordenadas
                        Invadem, contaminam,
                        Contagiam.
                        Olhos padecem
                        Escorrem-lhe lágrimas
                        Sem freios,
                        Desmesuradas.
                        Sinto o acabar das forças
                        Agonizando pensamentos.
                        Reflito agonizada
                        Em sofrimento
                        O que fazer distante
                        Do afago materno,
                        Do manso falar paterno,
                        Das margaridas floridas
                        Do meu jardim?

                        No jardim vazio
                        De minha alma
                        Esperança reacende,
                        renasce,
                        Confiança de um dia
                        Rever-te, voltar-te
                        Sorrir-te
                        Saudade, peço-te:
                        Devolve-me ao meu jardim.

                        Iara Melo

publicado por SISTER às 06:07

Corazón obstinado, que nunca sabes
      Cuando parar, si en mi pecho cabes
      Es apenas porque te soporto, en devaneos
      Tales, que ni hablar puedes en recelos,

      Si la pureza de mi carácter es limpio
      Y conciso como en un vasoo de absinto.
      ¿Cuales son tus ansias o vasto temor,
      Que te hace huir de la palabra. amor?

      Por calles y callejuelas busqué la verdad,
      No encontrando., nada para mí,
      Se me quedó . la palavra añoranza.

      Pero tú nunca te diste por satisfecho,
      Y por más que alcanzase mi mirada,
      Se me quedó el corazón encerrado en el pecho.

      Jorge Humberto
publicado por SISTER às 06:07

Oh, senhora minha, meu pássaro louco,
Quem pudesse resgatar-te lá dos altos,
Quem pudesse amarrar o teu breve sopro,
E nas mãos guardá-lo sem sobressaltos;
 
Quem pudesse respirar um pouco,
Correr como se fora nos planaltos,
Quem pudesse gritar até ficar rouco,
Fazer como faz a ave lá dos planaltos,
 
Seria como tu, ó meu pássaro livre,
Um passarinho que não quer gaiola,
Rasgando os céus porque vive,
 
Poisando nas nuvens porque são,
Sua alegre casinha e sua escola:
Porque imenso é o teu coração.
 
  Jorge Humberto
publicado por SISTER às 06:07

Plantei uma semente
e ela custou a germinar.
O que terá faltado?
Água, adubo, ou calor do sol...
Vigiei por dias e noites,
aquele pedaçinho de chão.
E nada...nem uma folhinha.
Onde foi que errei?
Abri o buraco de novo
e lá estava ela, perdida no fundo.
Retirei-a com carinho,
coloquei de lado e a deixei ao sol,
por alguns dias.
Quando voltei,
percebi que havia mudado de cor
e senti que era a hora certa
de colocá-la no ventre da terra.
E assim fiz!
Todos os dias eu a acalentava,
fazia as regas, não muitas
para não sufocá-la.
Até que o broto surgiu,
rasgando vigoroso o chão.
E isso me fez sorrir de alegria!
E continuei por dias e noites,
cuidando e aconchegando,
com sentimentos de amor.
E ela cresceu viçosa,
deitou folhas e ramos,
florescendo ao chegar da primavera.
Senti que todo o amor que devotei a ela,
veio forte em explosão de cores e beleza.
Contemplei-a com carinho,
pois desvelou-se ao meu coração,
antes tão triste,
que havia plantado flores
no canteiro de mim.

Guida Linhares
publicado por SISTER às 06:07

Quando,

Um acaso exuberante,

Transborda do conceito.

Oculto-me;

Revestindo a loucura,

Com discernimento.

Só para parecer sensato.

Aos olhos úmidos

De um amanhã.

Porque o tempo,

Usurpa meus momentos.

E a aurora em sorriso,

Aguarda-me.

De braços abertos.

No refluxo,

Da energia.

Daquilo;

Que um dia eu fui.

Gerson F. Filho 

publicado por SISTER às 06:07

Moro no intervalo bem oblíquo.

De uma vontade pura na insanidade.

O momento o pêndulo ambíguo.

De um desejo tentando ser verdade.

Para persuadir o caso circunscrito,

Tímido no seu apego ao limite,

Do conceito que o torna convicto.

Ser por si prisioneiro do palpite.

Aonde a opinião não se importa.

De ser rígida com a tese da paixão.

Que sempre no delírio abre a porta.

Para excessos ocultos na sensação.

Vibrando com toda sua intensidade,

Fazendo doer por ti meu coração.

Gerson F. Filho 

publicado por SISTER às 06:07

Textura plena de alfazema.

Na nervura nua do sistema.

Algo que toca e me atormenta,

Alguma coisa que envenena.

O coibir do sensível existir.

Nos imbróglios do porvir.

Para toda vontade que vier,

E para toda sensação parir.

Um desejo que escorre assim,

Do conteúdo sutil enfim.

Quando o tempo no retrós,

Na hora exposta não ri após.

Tudo que vier no viés de si,

Para regozijo beijos e fim .

Gerson F. Filho 

publicado por SISTER às 06:07

Desejo,

Foi algo que me ultrapassou.

Levando minha alma ao infinito.

Quando no simples olhar, dissestes;

Eu permito.

O saciar da firme intenção

Gerson F. Filho 

publicado por SISTER às 06:07

Parti um sim,

Por uma metade de um não.

A mão inverossímil.

E um pedaço.

Aonde padeço,

Na falta do abraço.

Mesmo que surja cáustico,

Seria o suficiente;

Para uma gota de ilusão.

Uma demão.

A questão e a situação.

De ser imaginação,

Até na hora de amar.

De ser sim,

De ser não.

Então.

Gerson F. Filho 

publicado por SISTER às 06:07

Sim! Eu gosto muito!

Desse teu jeito gostoso e maroto.

Nesse caminhar leve e sinuoso.

Que sempre me furta o olhar.

Sim! Verdadeiramente sou louco!

Por ver-te em vestido provocante.

Cujo movimento me mostre o bastante.

O suficiente, para não mais parar de sonhar.

Porque preponderante sim! É a vida.

E esse teu sorriso sempre me convida.

Para que não me lembre de como,

E quando você entrou no meu coração.

Gerson F. Filho 

publicado por SISTER às 06:07

Amo, na beira do precipício.

Aonde a vertigem da saudade,

Nunca é apenas um artifício.

Mas sim o sabor da eternidade.

A sensação de fazer do efeito,

A simples causa de ser delito,

Amar demais e não amar direito.

Amando tanto quanto o infinito.

Infringindo a norma e o respeito.

Pois estereótipos loucos ditam,

A regra que deveria seguir o jeito.

Porque de tanto amar, esqueci-me.

E por tanto e todo amor perdi-me,

No abraço forte de uma ilusão.

Gerson F. Filho 

publicado por SISTER às 06:07

Fui à praça, fui brincar.

De tudo aquilo que eu vi.

E ouvir o bem-te-vi.

Cantar só para eu sonhar.

Porque no canto ele canta,

Canta aqui e também lá.

Canta baixo e muito alto,

Leva o dia todo a cantar.

Então eu pulo corro e caio.

De todo sonho, entro e saio.

Só para escutar esta canção.

Do passarinho que voa baixo.

Da manhã que acaba rápido.

Mas deixa o amor no coração.

Gerson F. Filho 

publicado por SISTER às 06:07

Coloque emoção no seu sentido.

Aplique se for preciso um beijo,

Com um desespero possessivo.

Contendo o conteúdo reprimido.

Esquecidos em dias de mormaço.

Sombreados de rotina em demasia,

Deitados na modorra do pleno dia.

Rejeitados a dita hora pelo cansaço.

Porque sentir, e ser sentido é ser.

Existir plenamente só por prazer.

Vivendo cada minuto da sensação.

O objeto do prazer como objetivo.

Um sorriso cauterizando o sofrido,

Só para abrir ao amor o coração.

Gerson F. Filho 

publicado por SISTER às 06:07

Hoy, ahora, cuando aquí
      no te veo a mi lado,
      siento un gran vacío,
      cuanta falta me haces!

      nada me gusta, nada me satisface
      aun que nos hablemos,
      por teléfono o por vía virtual
      sin tí junto a mí, nada es igual

      Tu mirada, tu toque, tu presencia
      más que quiero, necesito
      que estés junto a mí
      es una añoranza tan fuerte, tan grande!

      que no hay como medirla, ni consolarla
      esta distancia tan grande es una prueba
      y tanto nos martiriza, además del camino
      que tenemos que percorrer, cuanto de nosotros vayamos a enfrentar

      O cuanto abandonar, o cuanto recomenzar
      o cuanto dañar, o cuanto contrariar
      no entanto, sabemos cuanto nos amamos
      para todo esto, por nueva vida y esperanza, enfrentar.
      Joe'A
publicado por SISTER às 06:07

Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO