Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

25
Jul 07
Plena a beleza
Do informar
Que nos permite amar
De um faixo de luz
Nasce um amor
Sem domínio nem dor
Visto vendo
Unido ao se ter
Como livre canção
Que só se propõe
 No horizonte, ser
Calma palavra calada
Em sons ouvidos encantados
Tornando do nada
Rimas e gritos apreciados
Desses lábios que cantam
E não se tocam
Mas sentem
Assim em ti envolta
Vou em louvor a vida
Respiro no ar teu abraço
Segura e amada no teu laço
 Aurea Abensur
publicado por SISTER às 08:59

Instante mágico
depois de segundos que não passavam
a desaperceber
mesmo estando o mundo no seu giro
que nada mais é do que o viver
 
Entro em mim mesma
cubro-me então de céu
e agradeço ajoelhada
com o despontar de um sorriso
misturando-o às lágrimas com gosto de mel
 
Agradeço sim
pelos dias de chuva escuros
que sombrearamm o azul do meu mar
e pelos antigos frios de muitos invernos
que me ensinaram pela vida afora
a tudo e a todos melhor amar
 Aurea Abensur
publicado por SISTER às 08:59

"Teço a vida,como aranha
procurando valores dentro e fora de mim,
sem saber quem sou.
Insisto em caminhar
mesmo atropelando os passos.
Ouso ainda sonhar
estes sonhos poucos, loucos
que da minha vida
não quero jamais cancelar.
Percebo que é a dor da saudade
que alimenta meu viver,
nessa falta danada
que sinto de você.
Arneyde T. Marcheschi
publicado por SISTER às 08:59

" Na vida vou sempre ao
encontro do nada,
mesmo tendo tudo dentro de mim."
 
Arneyde T. Marcheschi
publicado por SISTER às 08:59

E nem tua infância para trás
Por culpa do mundo dos adultos.

Não tente se envolver nas brigas
Inúteis de seus queridos pais
Porque, muitas vezes, nem eles
Sabem porque estão brigando.

Não pense que o mundo dos adultos
É sempre assim muito complicado.

Não, não tem assim tanta complicação.
São os adultos que das coisas simples
Tornam-nas mais complicadas do que são.

Ah, se em todo adulto tivesse uma criança
Os problemas sempre teriam solução!

Mas se você é uma criança adulta
Volte a ser simplesmente criança,
Volte a viver e a pensar como criança
Pois quando te tornares pessoa adulta
Não conseguirás ser uma adulta criança
E então sentiras muitas saudades
De tua mais remota infância....

Edmar Guedes Corrêa
publicado por SISTER às 08:59

Si existen paralelos, entre la locura
Y la sanidad, esta está tanto para la cura
Como la otra para la libertad. Sin embargo,
Si a los orgullosos, en el rostro se les calla el espanto,

Esto no es más que su propia indiferencia,
En una reinante y marcante sentencia,
Que los diferencia de los demás en el camino habido,
Como gente acostumbrada a perder.

Jorge Humberto

publicado por SISTER às 08:59

Escribo al margen del dolor de mi sueño.
Flotan mis pensamientos olvidados.
Y soy de todos y de nadie, y pongo
En versos este poema desordenado.

Que sería de mí sin a poesía,
Nada ni nadie, seguro!.
Palabra inútil, como inútil es el día,
En el que, escribiendo, seré seguramente

El que va en la vida sin tener,
De los otros la atención merecida,
Ya que es de ellos el último parecer
Como mía la palabra ofrecida.

Jorge Humberto

publicado por SISTER às 08:59

Informação, rádio, jornal, televisão,
Onde a nossa estrita lucidez?
Se somos carne para canhão,
Isso deve-se à nossa insensatez.
 
Revistas cor-de-rosa, fotógrafos,
Meninas passeando seus corpos
Para masturbadores retrógrados,
Que mais não são que uns porcos.
 
Que prometem mundos e dinheiro,
Para que as meninas deslizem
Nas passerelles ou num bueiro.
 
Tudo isto dá-me asco, me revolta
As entranhas, e, não me dizem,
Porque o vómito tem sempre volta.
 
Jorge Humberto
publicado por SISTER às 08:59

Este poema, que ahora escribo, teniendo
El río a mi cabecera y la noche
Por compañía, ya permaneciendo
Inquieto, ya de la palabra el vil latigazo,

Lo hice sin pensamiento ni emoción,
Que, lo que rije el comportamiento,
Todavía es lo que hay en el fondo del corazón
Y todo o seu asaz conocimiento.

E en este envoltorio siento que crecí,
Enterré mil raíces y renegué el mal.
Y por eso digo que sobreviví

A coste de mucho sufrimiento y dolor,
Enfrentando en la palabra el desigual
Trato, subtrayendo mi amor.

Jorge Humberto

publicado por SISTER às 08:59

Plantei no meu jardim, à beira água,
A mais bela flor de que me lembrei,
Saliente era a pedra onde a semeei,
Com nenúfares para irrigar a água…
 
Hoje, vendo-te crescer, és o orgulho
De todos nós, que te olham absortos
Vislumbrando os pequenos cotos,
Que nascem aos poucos no marulho
 
Das águas do rio, que placidamente
Correm encosta abaixo, da nascente
Buscando o seu refúgio amplamente.
 
Essa flor és tu, Nan, mulher amada,
Que viça até onde não há mais nada,
Pronta a ser colhida e resgatada.
 
Jorge Humberto
publicado por SISTER às 08:59

En la densa vegetación de un rico jardín
Vuelan pájaros buscando pan,
Que la vejez del hombre hace hincapié
En ofrecerselo en el médio de todo.      

No necesita salir de su banco adornado,
De vieja madera aquí y allá trabajada
Alguien que alimentaba a los pájaros,
Es todo por lo que quiere ser recordado.

Pasa los días en esto, el anciano,
Para pasar el tiempo y rejuvenecer,
Cuando las aves vienen a comer en su mano.

El sol está en su zénit y el viejo,
De regreso a casa, pára para comer,
Un pedazo de pan viejo y mohoso.


Jorge Humberto

publicado por SISTER às 08:59

Por vezes, você caminha pela vida com o olhar voltado para o chão, pensamento em desalinho, como quem perdeu o contato com sua origem divina.
Olha, mas não vê.
Escuta, mas não ouve.
Toca, mas não sente.
Perdido na névoa densa que envolve os próprios passos, não percebe que o dia o saúda e convida a seguir com alegria, com disposição, com olhar voltado para o horizonte infinito, que lhe acena com o perfume da esperança.
Considere que seu caminhar não é solitário e suas dores e angústias não passam despercebidas diante dos olhos atentos do Criador, que lhe concede a dádiva de viver.
Sua vida na terra tem um propósito único, um plano de felicidade elaborado especialmente para você.
Por isso, não deixe que as nuvens das ilusões e de revoltas infundadas contra as leis da vida, tornem seu caminhar denso e lhe toldem a visão do que é belo e nobre.
Siga adiante refletindo na oportunidade milagrosa que é o seu viver.
Inspire profundamente e medite na alegria de estar vivo, coração pulsante, sangue correndo pelas veias, e você, vivo, atuante, compartilhando deste momento do mundo, único, exclusivo.
E você faz parte dele.
Sinta quão delicioso é o aroma do amanhecer, o cheiro da grama, da terra após a chuva, do calor do sol sobre a sua cabeça, ou da chuva a rolar sobre sua face.
Sinta o imenso prazer de estar vivo, de respirar.
Respire forte e intensamente, oxigenando as idéias, o corpo, a alma.
Sinta o gosto pela vida.
Detenha-se a apreciar as pequeninas coisas que dão sentido à vida.
Aquela flor miúda que, em meio à urze sobrevive linda, perfumosa, a brilhar como se fosse grande.
Sinta-se vivo ao apreciar o vôo da borboleta ou do pássaro à sua frente.
Escute os barulhos da natureza, a água a escorrer no riacho, ou simplesmente aprecie o céu, com suas nuvens a formar desenhos engraçados fazendo e desfazendo-se sob seus olhos.
Quão maravilhosa é a vida!
Mas, se o céu estiver escuro e você não puder olhá-lo, detenha-se no micro universo, olhe o chão.
Quanta vida há no chão.
Minúsculos seres caminhando na terra, na grama.
A formiga na sua luta diária pela sobrevivência.
A aranha, a tecer sua teia caprichosamente, e tantas coisas para ver, ouvir, sentir, cheirar, para fazer você sentir-se vivo.
Observar a natureza é pequeno exercício diário que fará você relaxar, esquecer por instantes as provas, ora rudes, ora amenas, que a vida nos impõe.
Somos caminhantes da estrada da reencarnação, somando, a cada dia, virtudes às nossas vidas ainda medíocres, mas que se tornarão luminosas e brilhantes.
Aprenda a dar valor à dádiva da vida.
Isso fará o seu dia se tornar mais leve e, em silêncio, sem palavras, sem pensamentos de revolta, você terá tido um momento de louvor a Deus.
Aprenda a silenciar o íntimo agitado e a beneficiar-se das belezas do mundo que Deus lhe oferece.
A sabedoria hindu aprecia, na natureza, o que Deus desejou para ela: que fosse aliada do homem no seu progresso, oferecendo o alimento, dando-lhe os meios de defender-se das intempéries.
E, sobretudo, sendo o seu colírio diário suavizando as aflições da vida.
Aprenda a dar graças pela dádiva de viver.
(texto da equipe de redação do momento espírita)


publicado por SISTER às 08:59

"Pagai o mal com o bem, porque o amor é vitorioso no ataque e invulnerável na defesa."

 

(Lao-Tsé)

publicado por SISTER às 08:59

Tudo que existe no mundo está em conexão! No entanto, não percebemos esse
fato.
Amor é vínculo, é conexão. Por isso, existe uma ecologia do Amor, ou seja,
um sentir-se vinculado a tudo e a todos por meio da vida.
O fato de nos sentimos isolados e rejeitados corta-nos do fluir natural da
vida e do Amor, pois vida é Amor. E é exatamente essa amarga impressão de
estarmos separados que impede o Amor de nos alcançar e nos resgatar para uma
vida mais plena e satisfatória.
Quanto mais procurarmos fazer a nossa parte, que é a de ficarmos conectados
deliberadamente com tudo, mais nos sentiremos apoiados, repletos do suco da
vida. Sentiremos que existe uma fonte inesgotável de benesses fluindo atrás
de tudo.
Entre, pois, para a ecologia do Amor!
O fogo do Amor produz obras de Arte, pois é fonte de beleza e de harmonia.
Ele transforma completamente a visão que temos de nós mesmos e do mundo. O
Amor desenha em nosso interior uma nova maneira de sentir e de agir.
Nesse novo traçado, sentimos que a nossa sexualidade irmana-se com a nossa
afetividade, e que a nossa razão, antes fria e distante, integra-se com
essas duas companheiras, tornando-se mais aguda e mais brilhante.
Quando vivenciamos essa completude, compreendemos o verdadeiro sentido de
toda e qualquer forma de arte, pois ela é a elevação de uma qualidade
intrínseca instalada em cada um de nós.

Experimentar o Amor é ser Arte!


PAULO A. S. RAFUL
publicado por SISTER às 08:59

Há momentos na vida onde a nossa vontade transforma-se em silêncio, em espera...
Fazer e refazer o que trazia tanta alegria, parece não preencher-nos como antes.
Tentamos, de todas as formas, resgatar o que estava tão bom e, no entanto, já não conseguimos mais alcançar a luz que iluminava nossa Paz.
Mas vamos ficar tranqüilos a vida dá cursos e estes se transformam, mudam a cada momento.
Assim acontece para que não fiquemos perdidos
por muito tempo em coisas das quais o conhecer já fora extraído,
das quais o perfume já fora conhecido,
das quais a confusão já fora desvanecida.
Assim acontece para que
o nosso caminho não seja estagnado.
Assim acontece para que possamos conhecer o que, realmente, há para conhecermos.
Quando o silêncio se instaurar em nós,
vamos dar espaço e respeitar esse momento.
Ficarmos atentos e perceber: é a nossa mudança que mais uma vez está interagindo e fazendo
com que nossa visão interior possa
mostrar o novo, aquilo que não
estamos acostumados a ver.
E o novo é sempre a certeza
de viver o presente, de estar inserido na realidade,
O silêncio não é vazio, ele traz consigo a promessa do novo e o novo é o que nós devemos sentir a cada respiração.
Não vamos temer, vamos confiar em nós.
O silêncio existe para mostrar-nos
o caminho a seguir...
publicado por SISTER às 08:59

Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tradutor
Música
mais sobre mim
pesquisar
 
Sister online
Selo

blogs SAPO