Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

20
Mai 07
É ter esperança no amanhã.
Saber que após a noite vem o dia.
Viver intensamente as emoções!
Pular de alegria.
Não invadir o espaço alheio.
Ser espontâneo.
Apreciar o nascer e o pôr-do-sol.

Amar as pessoas incondicionalmente.
Aproveitar todos os momentos...
Fazer trabalho voluntário.
Vencer a depressão!
É cantar no chuveiro.
Perdoar as pessoas.
Não se prender a detalhes.
Chorar de felicidade...
Deixar para lá.
Ter pensamento positivo.

Respeitar os sentimentos dos outros.
Rir sozinho.
Ser sincero.
Encontrar a felicidade nas pequenas coisas.
Entender que somos pessoas únicas.
É dançar sem medo.

Não se apegar a bens materiais.
Respirar a brisa do mar.
Ouvir a melodia suave de uma fonte.
Observar a natureza.
Adorar um dia de chuva.

Ter motivação!
Enxergar além das aparências.
Descobrir que precisamos dos outros.
Esquecer o que já passou.
Buscar novos horizontes.

Perceber que somos humanos.
Vencer a nós mesmos.
Ver a beleza da alma.
Sair da passividade.

Saber que a vida é conseqüência de nossas atitudes...
Deixar acontecer...
Praticar a humildade.
Curtir as pequenas vitórias.
Viver apaixonado pela vida!
(Desconheço autoria)
publicado por SISTER às 09:12

Como tumor preso na virilha,
esperando ser lancetado,
lá vai a guerra pulsando fria,
 deixando mortos e aleijados,
um triste legado pelas veias da Terra...
Não mais lugar para os corpos humanos,
para as árvores e os animais,
só a bestialidade do homem,
pobre capataz,
que obedece ordens,
é manipulado,
como boneco, escorraçado
do seu santo lar,
pelas organizações que acalentam
as glórias efêmeras
de tudo cuidar,
ao seu modo torto, tergiverso,
que me obriga a fazer versos
para denunciar...
 
Como um tumor preso na virilha,
os armamentos bélicos e belos,
já, alguns até dourados,
conquistando mentes vazias pelo universo,
 continuam surrupiando vidas,
 criando dores atrozes,
 destruição...
Os olhares sempre tristes,
dos povos que sempre perdem,
o direito à cultura, à educação,
já nem sabem mais ver a beleza,
tamanha a safadeza
de quem só pensa em combustíveis fósseis,
dinheiro, dominação...
Móveis a rotação e a translação, móveis, móveis...
no entanto, não há mudanças para o horror da exclusão,
 da fome, da peregrinação
em busca da audição dos gritos,
da salvação dos seres concientes...
Nobre é a serpente, que um dia estraçalhará
esta nave, a repudiará,
e em fragmentos doentes,
ela se pulverizará....
 Margaret Pelicano
publicado por SISTER às 09:12

Na linha da imaginação a realidade tem luz néon
Veste uma fantasia... das máscaras se desvencilha
Interroga as rotinas e joga as mágoas pelo chão
Olha-se no olho do espelho e pratica o auto-perdão.
No que surge a concepção, da idéia se é escravo
Nada se proscratina, só se sossega da lida
Após dedicação, gozando pela realização.
Na linha da imaginação a determinação é tônica...
Purgam-se os defeitos com auto-análise e reflexão,
Sem uso de punições, flagelos e auto-destruição.
Vacilantes são os ódios, as invejas e as retaliações.
Na linha da imaginação tem um encontro marcado:
- O começo de toda revolução. É onde encontramos as luzes!
Portadores de lanternas desbravamos a humana solidão.
 
elisasantos
publicado por SISTER às 09:12

Segurando a tocha investe-se de luz,
adentra pelo Olimpo e com Mnemósyne
investe-se de arte, e com as musas, parte
sempre de mãos dadas à criatividade.
 
No campo da memória desenha a História.
Estórias, o poeta, permitem-se faze-las,
e nelas, as revelações são verdadeiras,
embora toda gente não possa percebê-las...
 
... desvendando enigmas! Manipula símbolos
clareando dias, mesmo os sombrios, na tela
da vida cada cor tem razão de ser.
 
 Com sensibilidade de divina investidura,
 todo ser - humano possa dos res-sentimentos
 música entoar e o presente re-inventar.
 elisasantos

publicado por SISTER às 09:12

Pêsames! Os suspiros fogem até mesmo das espias;
omissão ao teu conflito, pois, choram em colapso os lírios,
exumando as rés coroas; os embriões carregam os círios
queimando o marasmo envolto em exéquias tocando à atermia.
 
 
Conluio assim, cerzindo a marionete e pedindo mais linha;
penhora das intrigas supérfluas, falsete em segundos
às condolências arrogantes do canto tão infecundo...
e a inquieta decepção na voz febril que implora e definha.
 
 
Sinceros sentimentos! Morreu até mesmo a tua vergonha,
vivendo o exício e a infelicidade vertida da louça,
ungindo um ofício diário e enferrujando a gota insossa
da cerva idolatria, qual tua redoma que não mais sonha.
Sandra Ravanini
 
publicado por SISTER às 09:12

Neste caminho sem volta
Meu coração cativo
Se acomoda
Como num ninho aconchegante
Do qual não quer sair.

É o ninho que acolhe
E traz a felicidade
Que alimenta e constrói
Este amor tão doce e querido
Do qual prisioneira
Quero ser.
Marici Bross

publicado por SISTER às 09:12

Onde estás?
Faz tanto tempo...
Mas parece que foi ontem.
Não esqueço,
O teu olhar...
Os teus cabelos ao vento,
roçando no meu rosto,
acarinhando meus olhos,
me arrepiando de amor...
 
Onde estás...como estás?
 
Sinto como se fosse hoje...
O teu corpo quente,
o teu carinho crescente,
a tua voz no ouvido,
o teu beijo inesquecível...
 
Onde estás?
 
O tempo passa,
mas para mim,
 parece que foi ontem...
Momentos tão sensuais,
e tão românticos....
A praia, o mar, nós dois...
Água quente do nordeste,
Brisa balançando os coqueiros,
Um fim de tarde...
Muito amor e paixão
Otto Brautigam
publicado por SISTER às 09:12

Amanheço ao lado do sol
e venho para lhe dar bom-dia
emprestando dele, os raios mais bonitos
que façam sentido
para nós dois...
 
Eu sou aquela folha de outono
que vaga sozinha pelos caminhos
que é açoitada pelo vento
pisada pelos passarinhos
e permanece sempre... à sua espera!
 
Sou também a saudade
rebelde... incauta
que acredita no amanhã
por inverossímel que pareça, e espera
o sol voltar, achando que você virá...
 
Eu sou você, sempre você
dentro do meu pensamento!
E você...
quem será?!...
Ciducha
publicado por SISTER às 09:12

Sei quem você é...
e sei cada uma das suas vozes
sei a sua cor, o som dos seus gemidos
sei tudo sobre você,
e quando me pede que não retorne
sei até os seus porques...
que desmentem quem é você!
 
Sei que povoa o mundo
em um pensamento andarilho
abrindo caminho
para chegar ao meu coração
porque julga não estar lá
mas você também
vive sempre a se enganar!
 
Sei... sei tudo do que é capaz
e sei mais, muito mais!
Pois sei também
 que as paredes se fecham à minha volta
se eu tentar me aproximar...
sei que depois dos portais
você nunca estará...
 
Portanto  você não é  quem diz ser!
Pois o amor voa livre nas asas do vento
não tem barreiras, é como o pensamento
e na alma, é doce acalanto, nunca sofrimento...
ah, esse que diz ser, ao som da sinfonia
entre ninfas tão lindas, é pura utopia!
Mas pode ser verdade... só minha!
Tere Penhabe
publicado por SISTER às 09:12

Ser romântico é acordar cedinho,
bendizer o ar fresco da manhã.
É valorizar o próprio cantinho,
sentir o passo leve no caminho,
consciência reta, mente sã.
 
É ser gentil em casa ou fora dela,
é constante esforço por um clima
de serenidade e respeito.
É em tudo perceber a parte bela,
é exaltar a qualidade, não o defeito.
 
É ouvir o comentário desairoso,
e sem alarde, de mansinho,
introduzir o pensamento harmonioso,
reconhecendo as próprias falhas,
o próprio desalinho.
 
Ser romântico é amar sempre.
Até mais intensamente,
embora a aparência moderada.
É trazer o interior contente
pela atitude equilibrada.
 
Ser romântico é enternecer-se.
Pelo passo lento dos velhinhos,
pelo falar afoito das crianças.
No afago dispensado ao animalzinho,
pela saudosa e velha lembrança.
 
Ser romântico...
 
É ainda querer rodar o pião,
não mais soltar balão,
empinar pipa,
galgar a árvore,
juntar figurinha;
andar de pé no chão,
guardar a letra da canção,
decorar a quadrinha...
 
É gostar do apito do trem,
do ranger da velha porteira,
do capim viçoso.
Da serra florada,
da nuvem isolada,
do recanto mimoso.
 
Mas é gostar também...
 
Do leito seco do rio,
do vento cortante e frio,
da árvore morta.
Da noite escura
e do seu negro véu;
da folha que rola caída,
do deserto quase sem vida,
do raio que corta o céu...
 
Ser romântico é cantar a flor que desabrocha
e não esquecer da murcha
que já enfeitou o caminho.
É trazer a boca que não debocha,
um coração que não reprocha,
é ofertar somente carinho.
 
Romântico, enfim...

      
LUAN JESSAN
publicado por SISTER às 09:12

A sua loucura, trouxe-me a sanidade!
A formosura, reconhecimento de que o feio não existe!
A sua liberdade de agir sem preconceito
trouxe-me a clausura do sentimento contrafeito.
 
Na procura de solução para a descompensação
percebi que ambos tiramos proveito da situação
aprendemos a conviver com o certo e o errado
a andar na contramão do destino infernizado.
 
Porém, não consigo mais amar o inesperado,
não sei de você, mas comigo, não há mais bem querer!
Sublimei e criei um receio imenso de amar outra vez!
 
Hoje me pergunto: que é feito de você, amor confuso,
incauto e obtuso? Em que mundo se perdeu?
Você me convenceu: Amor é impróprio e mudo!
 
Margaret Pelicano
publicado por SISTER às 09:12

De que forma Deus fez o amigo?
Deu-lhe asas invisíveis...
Colocou em seus lábios um terno sorriso...
Nos olhos, o mais puro mel...
No coração, o perdão incondicional...
Deu-lhe uma paciência descomunal...
Uma pitada de crítica construtiva...
Não mediu o bom humor...
E exagerou na dose de amor!
Depois soprou em seus ouvidos:
Vá cumprir sua nobre missão...
E ele até hoje nos cerca de carinho,
Nos entende, ajuda sem intromissão,
Humildemente, nos rouba o coração!...
© Mary Trujillo

publicado por SISTER às 09:12

Do nosso amor só restou
este  meu jeito de sentir...
 
Sentimentos ternos, íntimos
que abrangem, penetram, invadem
a memória de minh'alma em abismos
que renasce do impulso da coragem
 
E é do infinito que retiro a força
o querer, o saber, o desejo de amar
mesmo neste abandono sem esperança
haurindo do meu coração a confiança
 
Assim, vou até à profundidade sem fim
do humano e do divino que há em mim
sem nenhum mal entendido
sem qualquer vínculo no limbo
 
Recobro a única verdade que interessa
que é o amor por mim e por você
mesmo que não esteja aqui
 
Pois é dele, do amor
que ressurge o desejo, a vontade de unir...
Sandra Lúcia Ceccon Perazzo
publicado por SISTER às 09:12

Vou te contar um segredo
Segredo
Dos mais secretos
Jura que não dirá
nada do que vou te contar
a ninguém
Nem sob tortura
Jura
É um segredo fatal
Se alguém souber
Poderá causar muito mal
Cuidado com o que diz
Não, não conto não
E se você
Sem querer
Acaba por dizer
O que será de mim?
O fim...
É um segredo muito secreto
Se for revelado
Terei que fugir do seu lado
Me esconder
Nunca mais aparecer
Jura não contar
Nem ao menos com ele sonhar
Então lá vai
Meu segredo, secretíssimo
Segredo muito secreto
Vai ser agora revelado
"VOCÊ É MEU AMADO"
Não, não ria
Não é motivo de graça
É sério
Amo você antes e acima de tudo
O resto
É resto
Não importa
No mundo mágico do meu coração
Só existimos
Eu e você
Sei que não me ama
Já tentei tudo
Já me dei por inteiro
Mas seu coração não me deseja
Mesmo que assim sempre seja
Vou sempre te amar
Talvez um dia
Você me veja
com olhos diferentes
E perceba esse meu amor
Tão sem pretensão
Pura adoração
Agora
Guarde este segredo secreto
Não diga a ninguém
Que você é meu grande bem.
 
***
Edna Berta
publicado por SISTER às 09:12

Construímos um mundo de esconderijos e armadilhas
para que não nos descubram o mundo íntimo,
e nem conseguimos penetrar no âmago das outras pessoas.
 
 
Imagens, máscaras, projeções são as defesas
que encontramos para que os outros nos vejam
como queremos que nos vejam,
temerosos de nos mostrar tais como somos,
com nossas virtudes e defeitos,
com nossos sonhos e nossos equívocos.
 
 
É uma civilização da fantasia.
Como se estivéssemos nos movimentando em imenso palco, representamos os papéis que nos interessam,
divulgamos a imagem que entendemos ser a melhor
para alcançarmos os objetivos que desejamos.
 
 
Não importa se somos felizes
desde que obtenhamos o que ardorosamente queremos. Assim, não é sem motivos que construímos
a civilização da depressão, do estresse e da angústia...
 
 
Até crianças de 13 anos já andam freqüentando consultórios médicos para tomar antidepressivos... Observamos envergonhados pessoas de 80 anos suicidando-se... Homens e mulheres no esplendor e no vigor da vida
surgem-nos amarrotados e acabados sem vontade de viver...
 
 
Faz-se mister despirmos as máscaras e fantasias,
assumindo o que somos.
 
 
Aprendamos a nos olhar “olhos nos olhos”,
abrindo a alma no relacionamento com as pessoas.
Não vale a pena uma vida fingida em castelos de areia.
 
 
A vida real com altos e baixos, alegrias e tristezas
é grande tesouro que devemos valorizar.
 
 
A convivência sincera
é instrumento indispensável para ser feliz.
Olhar nos olhos e ser você mesmo...
Joamar Zanolini Nazareth
publicado por SISTER às 09:12

Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tradutor
Música
mais sobre mim
pesquisar
 
Sister online
Selo

blogs SAPO