Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

13
Mai 07
Filhos,
 são escolhas de Deus
a nos preencher o coração.
Irmãos que nos ensinam
a viver em união.
Mais do que o sangue,
importa é a alma a quem nos doamos,
buscando valores criarem...
Ensinamentos, mostrar...
Seres de caráter, formar...
Se ao teu lado tens companheiro,
podes compromissos repartir
na sublime tarefa
de teus filhos, pela vida, conduzir...
Porém , quando sozinha,
por infortúnios ou opção,
tendo, às vezes, apenas filhos do coração,
mereces muito carinho
e toda admiração!
Filhos, sendo de sangue ou não,
O que importa é, a eles, dar toda dedicação,
para no final, tranqüila, estares,
ao ver cumprida tão nobre missão!
 
 
Lms
publicado por SISTER às 06:03

Em nome desse filho que já foi embora,
beijo eu essa mãe, secando o seu pranto
em meu peito, dôo consolo à ela que chora
pela semente chorada antes do tempo.
 
 
Crio a cantiga e vôo no uivo do vento,
envolvo essa mulher e vejo um olhar
tão azul, brilha um nome nesse alento,
e, em nome do filho sorri tal azular.
 
 
Ah! Tão grande a mulher que germinou um dia
sua herança tão pura na origem do seio,
enlevo ao filho à prece, Ave Maria;
e a bênção alvorece na canção que ponteio.
 
Sandra Ravanini
publicado por SISTER às 06:03

Esperar... é verbo do amor universal
começando pela mãe, em gestação
espera seu rebento, de si, o comensal
rica partícula, de rico coração.
 
Segue a vida esperando, incansável
pelas idas e vindas, às vezes orando
às vezes, tão tristemente vulnerável
aos sonhos que vão morrendo, passando...
 
Mas se além de mãe, puder ser mulher também
espera seu homem, o tempo que precisar
vindo pelas estradas, pelo ar, pelo mar...
 
Não se pode querer, do verbo esperar
via tão longa, que não se possa ver, porque
ele é feito da esperança que se tem!

Tere Penhabe 

publicado por SISTER às 06:03

Vemos em cada manifestação da Vida determinada meta de desenvolvimento, qual anseio do próprio Deus a concretizar-se.
Na Criação, o clímax da grandeza.
Na caridade, o vértice da virtude.
Na paz, a culminância da luta.
No êxito, a exaltação do ideal.
Nos filhos, a essência do amor.
No lar, a glória da união.


De igual modo, a maternidade é a plenitude do coração feminino que norteia o progresso.
Concepção, gravidez, parto e devoção afetiva representam estações difíceis e belas de um ministério sempre divino.
Láurea celeste na mulher de todas as condições, define o inderrogável recurso à existência humana, reclamando paciência e carinho, renúncia e entendimento.


Maternidade esperada.
Maternidade imprevista.
Maternidade aceita.
Maternidade hostilizada.
Maternidade socorrida.
Maternidade desamparada.
Misto de júbilo e sofrimento, missão e prova, maternidade, em qualquer parte, traduz intercâmbio de amor incomensurável, em que desponta, sublime e sempre novo, o ensejo de burilamento das almas na ascensão dos destinos.
Principais responsáveis por semelhante concessão da Bondade Infinita, as mães guardam a chave de controle do mundo.


Mães de sábios...
Mães de idiotas...
Mães felizes...
Mães desditosas...
Mães jovens...
Mães experientes...
Mães sadias...
Mães enfermas...
Ao filtro do amor que lhes verte do seio, deve o Plano Terrestre o despovoamento dos círculos inferiores da Vida Espiritual, para que o Reino de Deus se erga entre as criaturas.

Mães da Terra! Mães anônimas!
Sois vasos eleitos para a luz da reencarnação!
Por maiores se façam os suplícios impostos à vossa frente, não recuseis vosso augusto dever, nem susteis o hálito do filhinho nascente - esperança do Céu a repontar-vos do peito!...
Não surge o berço em vosso coração por acaso.
Mantende-vos, assim, vigilantes e abnegadas, na certeza de que se muitas vezes cipoais e espinheiros são vossa herança transitória entre os homens, todas vós sereis amparadas e sustentadas pela Bênção do Amor Eterno, sempre que marchardes fiéis à Excelsa Paternidade da Providência Divina.

ANDRÉ LUIZ

 
publicado por SISTER às 06:03

Oh! Amor de Mãe!
Amor que ninguém esquece!
Pão maravilhoso que um deus divide e multiplica!
 
Victor Hugo
publicado por SISTER às 06:03

   AGNALDO TIMÓTEO

Quem é? Que não sofre por alguém
Quem é? Que não chora uma lágrima sentida
Quem é? Que não tem um grande amor
Quem é? Que não chora uma grande dor
Quem é? Que não sofre por alguém
Quem é? Que não chora uma lágrima sentida
Quem é? Que não tem um grande amor
Quem é? Que não chora uma grande dor
Deus, meu Deus!
Traga pra junto de mim
Esse alguém que me faz chorar
Que me faz sofrer tanto assim
Deus, meu Deus!
Tenha piedade de mim
Faça com que ela volte
Viver sem ela
Será o meu fim
Deus, meu Deus!
Traga pra junto de mim
Esse alguém que me faz chorar
Que me faz sofrer tanto assim
Deus, meu Deus!
Tenha piedade de mim
Faça com que ela volte
Viver sem ela
Será o meu fim
Viver sem ela
Será o meu fim

publicado por SISTER às 06:03

Estou enfim
De malas prontas.
Estou de partida.
Viajarei pelos caminhos da vida
Em busca de paz.
Não quero despedida.
Uma pequenina luz desponta
E faz nascer em mim
A esperança de encontrar
Um lugarzinho calmo
Onde nunca mais
Deixarei-me afetar
Por mentiras
Ou falsas amizades
Que um dia
Fizeram murchar
As flores do meu caminho
Cravando raízes profundas
Na certeza
De minha tristeza.
 
SANDRA FREITAS
publicado por SISTER às 06:03

Certa noite eu quis falar com Jesus, mas Ele me disse:
" Agora estou muito ocupado "

" É urgente! " , eu disse, " trata-se de minha mãe! "

" Calma ... agora não posso ", respondeu Ele suavemente.

Entre chocada e desapontada eu bradei:
" Está bem ! Com quem posso falar então?!? "

" Comigo, mas não agora que estou tão ocupado ".

Eu, doente e febril, tive que me conformar
e aguardar o momento "certo" para falar com Ele.

Sozinha, naquela cidade estranha, tudo que eu queria era o abraço de
minha mãe, naquele momento tão distante de mim.

A febre deve ter se elevado tanto, que adormeci.
Tive sonhos confusos e agitados, onde eu me via
sendo envolvida pelos braços amorosos de minha mãe.

Quando acordei, ensopada de suor, eu me sentia maravilhosamente bem.
Tinha desaparecido a febre e toda aquela sensação de abandono.

Lembrei-me que havia chamado por Jesus, mas não sabia exatamente se
fôra um delírio ou se Ele falara comigo realmente.

Arrisquei, sentindo-me patética, a chamá-Lo de novo:
" Senhor! Agora é possível só responder-me a uma pergunta? "

Para minha surpresa, eu ouvi:
" Sim. O que você quer? "

" Era só para saber se realmente falei com o Senhor.
Agora não quero mais nada. Já estou bem.
Quando O chamei, eu ia pedir-Lhe que me trouxesse minha mãe,
mas o Senhor estava muito ocupado para atender ao meu chamado.
Sonhei com ela e isso foi o bastante para curar-me ".

" Sim, eu estava muito ocupado,
atendendo alguém que tinha mais urgência do que você:
Eu estava escutando sua Mãe que me pedia para levá-la até aí ".
 
 
 
 
©Silvia Schmidt
publicado por SISTER às 06:03

Tudo tem sido difícil?
 
Nos momentos de desânimo,
em que parece ser impossível haver melhorias, reaja e busque forças para vencer.
 
Mas, como superar o abatimento?
 
As coisas são o que são
para que delas você extraia ensinamentos.
 
E sempre você pode partir para o lado positivo.
 
Se realmente quiser, você melhora.
 
É só praticar o otimismo.
 
Mirar-se no espelho e analisar-se,
ver-se pleno de beleza, resistência, saúde,
paz e alegria.
 
Quanto mais isso consegue,
mais o pessimismo se afasta.
 
A vida é bela para quem a vê bela.
 
Lourival Lopes
publicado por SISTER às 06:03

 
Mãe...
que acalenta seu bebê, nas noites em claro
trazendo nos olhos a sublimidade
que só as mães sabem, são capazes...
 
Mãe que partilha as imensas dores
 tantos e tantos temores
seus dias nem sempre sonolentos, enfileirados
às vezes hostis com seus amados...
 
Mãe que busca o horizonte com afinco
incansável, no único afã de doar
para os tantos rebentos seus, o amor
em partes iguais...
 
Mãe de um único filho
que se desvela em carinhos exagerados
 por julgar que é sempre pouco
o que pode lhe dar...
 
Mãe...
que com a mesma placidez, sorri e chora
quando vê um dia, suas crianças irem embora.
Se os perde para o mundo, tenta aceitar
se os perde para a guerra, dói tanto enfrentar...
 
se os perde para o desamor... oh, Deus, que dor!...
Nenhum poema no mundo, ainda que fecundo
seria capaz de retratar...
a tão sublime essência maternal do amar!
 
Mãe... que não experimentaste a gestação
mas tiveste abarrotado de amor, o coração
fazendo de tua vida, a magia de se doar
porque ser mãe não é só gerar... é amar!
 
Mãe... que junto aos seus filhos ou sozinha
vê o mundo aplaudir uma data, sem entender bem
sem saber ao certo de quem e para quem
é tanta comemoração...
 
Mãe...que foi minha um dia...
que decerto sob a frondosa árvore na colina
me espera para conversar, novamente me abraçar
não desanime mãe... eu chegarei lá!
 
Mãe... que agradece a Deus todos os dias
pela graça que lhe concedeu (entre as que perdeu)
na filha que é seu fruto e a  sua grande alegria
mãe feliz, que esta mãe sou eu...
 
 
Para todas nós...
um Dia das Mães de Paz & Bem!...
 
Assim seja!
 
 
Tere Penhabe
publicado por SISTER às 06:03

Patrícia sentiu o seu mundo desabar quando após onze anos de casamento o marido lhe anunciou o divórcio e a saída de casa. O seu primeiro pensamento foi para os filhos: o menino tinha apenas cinco anos e a menina, quatro. Dúvidas a assaltaram. Será que conseguiria manter a família unida? Será que conseguiria transmitir-lhes o sentido de família? Será que, criando-os sozinha, conseguiria manter o lar, ensinar-lhes ética, valores morais e tudo o mais que precisavam para a vida?

O importante era tentar. E ela tentou. Durante a semana arranjava tempo para rever os deveres de casa, discutir a importância de fazer as coisas certas. Nos fins de semana, um programa infalível era levá-los à evangelização. Era importante alimentar os seus espíritos com as lições de Deus, de Jesus, a Boa Nova.

E assim passaram dois anos. No dia das mães foi preparada uma homenagem muito bonita, num templo religioso. Falou-se a respeito da difícil tarefa de ser mãe e do reconhecimento que esta merecia. Finalmente, foi pedido a cada criança que escolhesse, dentre as tantas flores que estavam em vasos, uma para dar à sua mãe, como símbolo de amor e de estima.

Os filhos de Patrícia encaminharam-se até as plantas. Enquanto esperava, Patrícia pensava nos momentos difíceis que os três tinham passado juntos. Olhou para as begônias, para as margaridas, para os amores-perfeitos e ficou a planear onde plantar o que escolhessem para ela. Com certeza, uma linda flor, demonstração do seu amor.

Todas as crianças já tinham escolhido as flores e ofertado às suas mães, enquanto os filhos de Patrícia continuavam a escolher. Pareciam levar a tarefa muito a sério, olhando atentamente para cada vaso. Finalmente, com um grito de alegria, acharam uma ao fundo. Com sorrisos a iluminar os seus rostinhos, avançaram até onde ela estava sentada e a presentearam com a planta escolhida.

Ela olhou estarrecida. A planta estava murcha, com aspecto doentio. Aflita, aceitou o vaso que os filhos lhe estendiam. Era óbvio que tinham escolhido a planta mais pequena e mais doente. Nem flor tinha. Ela sentia vontade de chorar. Mas eles olhavam para a plantinha todos orgulhosos, sorridentes. Mais tarde, já em casa, Patrícia não se conteve e perguntou:

- Por que é que no meio de flores tão bonitas, vocês escolheram esta para me dar?
Ainda orgulhoso, o menino declarou:
- Mamãe, esta era a que estava a precisar de ti!
Enquanto as lágrimas escorriam pelo seu rosto, Patrícia abraçou os dois filhos, com força. Eles acabavam de lhe dar o maior presente do dia das mães que jamais podia ter imaginado. O reconhecimento de que o seu trabalho e sacrifício,  não eram em vão. Eles estavam a crescer bem e tinham percebido a linguagem da renúncia e do amor.

***

Não existe uma forma de ser mãe perfeita, mas um milhão delas de tentar ser boa mãe. Esmere-se por ser boa mãe bastante para seus filhos. Sensata, para transformá-los em homens de bem. Correta, para lhes dar exemplos de cidadania. Digna, para exemplificar honra. Amorosa, para lhes falar das coisas que não perecem e criam tesouros além da vida material.

 

(Com base no Capítulo "Flores para o dia das mães", de Patrícia A. Rinaldi,

publicado por SISTER às 06:03

Quando a vida nasceu,
tudo disse: MÃE!
Dona da vida e da força,
exclamaram os homens exaltados!
No alto das montanhas
entoaram cânticos, fizeram sacrifícios.
 Maria! Na hora do evangelho,
conforta a alma fragilizada
dos que têm fé e esperança.
Mater Dolorosa que sente ao filho
quando rompe suas entranhas.
Mãe que geme junto ao túmulo do filho
que nunca mais a beijará de novo.
Mãe que sofre o martírio do abandono,
cujo desvelo alguns filhos esqueceram,
mas que perdoa, que perdoa sempre,
e bendiz àquele que tanto lhe magoa.
Mãe que se curva sobre nossa fronte,
retomando cantos que revivem sonhos,
fazendo carícias que renovam a alma.
Mães dos que buscam paz sem encontrá-la
e dos que vencem e alcançam fama.
Mães de mendigos e de milionários,
sejam benditas em todos os idiomas!
Mães de todos os homens, mães admiráveis,

todas nossas mães: que se doam tanto
e nunca pedem nada.
 
Ceres Marylise
 
publicado por SISTER às 06:03

Em algum lugar onde nunca estive muito além do que possa existir, teu silêncio guarda teu segredo.

Em teu gesto mais frágil, há coisas que me envolvem
ou que não posso tocar, porque estão muito distantes, além do que posso entender.

teu caminhar da alma, em meus pensamentos, facilmente se descerra, deixando transparecer tua imagem vestida de amor.

Ao desfolhar-te como ramos, em meus pensamentos, folha por folha, do que existe em ti, como faz o jardineiro ao seu jardim, por toques habilidosos, misteriosamente do teu segredo, abre-se a primeira flor, fantasiada no teu amor.

Nada do que posso perceber ou entender, se compara
ao poder da tua imagem, cuja beleza
uni-se a tua formosura.

E me entrego novamente à nebulosa de meus pensamentos, buscando vestir-me de esperança para compreender o amor.

Nada sei do que te faz tão poderosa ao inundar minha alma de ternura e amor, quando penso em ti.

Mas algo em mim compreende apenas, que a voz de tua alma e a beleza do teu amor, são mistérios mais profundos que todos os mares, mais intenso que todas as ânsias e desejos.

Por isso és o segredo de minha inspiração; Dos acordes a canção; Da melodia a poesia; Da primavera a flor...
Porque és amor, o amor mais belo e profundo e não se compara a um amor deste mundo,
mas que amo e venero e no meu coração sempre quero

===Edmen===

publicado por SISTER às 06:03

Um dia distante
Sofri as dores de amor
Pensei que o mundo tinha caído
Que o chão não suportaria
O peso da minha decepção.

Pensei que meus olhos
Teriam para sempre formato de lágrimas
Que o sorriso não mais brotaria
De meus lábios que foram tão beijados.

Na euforia de sentir-me amada
Não percebi que nos beijos
Haviam fel disfarçados de mel
E que nos olhos dele
O brilho era de maldade
Em noite de escuridão.

Um dia distante
Descobri que meu alimento de amor
Nada mais era que disfarces engalanados
Ocultando uma alma esfarrapada e tão escura
Que ele um pobre infeliz
Perdeu-se nas trevas da mentira.

Hoje, sou libélula colorida
Beijando as flores
Que adornam o riacho da felicidade
Em companhia de galante pássaro
Que ganhou o meu coração
E canta a melodia
Do nosso amor.


OlhosDe£in¢e

publicado por SISTER às 06:03

Vales apenas um dia, o dia da Mães,

se esperas por este dia para receberes uma atenção
e um parabéns por seres mãe.
 

Vales mais do que um dia,
se todos os dias de tua vida
se tornam dias de atenção para com os filhos
e para sua família.
 
 
Vales apenas um dia,
 se desejaste um filho e, depois de nascido,
ele não recebeu todo teu amor e carinho,
todo teu cuidado e apoio.
 

Vales muito mais do que um dia,
se teu filho continuou nascendo todos os dias para a vida,
nascendo para o aprendizado da vida,
para a sabedoria da vida,
nascendo para os caminhos que a vida traça
para chegar bem até o fim.
 

Vales muito mais do que um dia,
se teu filho estuda porque tu o amas,
se teu filho não fica vadio pelas ruas
porque tu o ensinaste a ocupar todas as horas,
se teu filho guarda tua imagem viva em todos os atos,
como alguém que dá uma orientação constante.
 

Vales apenas um dia,
se é apenas no Dia das Mães
que recebes um abraço mais caloroso,
um beijo mais carinhoso.
 

Vales muito mais do que um dia,
se teus dias são de abraços entre ti e teus filhos,
de abraços entre ti e teu esposo,
fazendo do dia todo uma novidade no amor
e na descoberta da vida.
 

Vales apenas um dia,
se não te importas onde está teu filho
neste exato momento...
se conversas com teu filho só no momento
que necessitas erguer a voz para seres obedecida.
 

Vales muito mais do que um dia,
se teu filho percebe que tu és uma presença de orientação,
se teu filho percebe que tu és uma indicadora de caminhos certos,
com serenidade de quem está convencida
de que está dando o melhor para seu filho.
 

Vales apenas um dia, o Dia das Mães,
se te queixas de que neste dia não recebeste um presente
ou não recebeste nenhuma atenção
ou algo de diferente que pudesse fazer deste dia um dia teu.
 

Vales muito mais do que um dia,
se todos os dias, em tua casa, são dias de mãe.
Mãe, que não deseja ser dona dos filhos,
mas doadora de vida.
 
 
Mãe,
que sabe limitar o filho
no caminho que o conduz a uma vida que satisfaz.
 
 
Mãe,
que acolhe a família em todos os momentos
e se coloca a serviço da mesma.
 

Quanto vales, mãe?
Um dia apenas, ou uma vida toda?
 

Wilson João
publicado por SISTER às 06:03

Era teu costume...
Bordar lençóis...Bordar toalhas...
Bordar as iniciais...
Teu amor ainda é lume...
Desfaz dores... Vence batalhas...
Aponta os ideais...
Aquelas letras gravadas...
Em panos de cetim ou linhaça...
Diziam tua doçura...
As bordaduras lembradas...
Fazem saudade que vem e traça...
Teu perfil... Mãe candura...
 
Fernando José Tricerri
publicado por SISTER às 06:03

Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tradutor
Música
mais sobre mim
pesquisar
 
Sister online
Selo

blogs SAPO