Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

23
Mar 07

Eu fiz esta poesia pensando no meu amor por ti,
busco teu prazer,
sinto a tua alegria e deixo manar o teu amor,
a maciez da grama em plena coxilha.
Sinta o meu amor o silêncio de minha alma.
Que seja só tua,
não importa por onde andas, ou vás,
sempre me encontrarás a te esperar
O inicio esta em ti,
de fluir,navegar,
e quem sabe mergulhar,
onde te decides pelo doce momento de me amar,
vê não ha um dia igual ao outro,
no entanto há dia após dia,
Dê então este dia o prazer,
o contentamento levar ao firmamento nosso amor
tudo que sinto é um desejo sem fim,
desejo de seguir en frente rumo a felicidade ao teu lado
Fome de amor,
mas o que mais sinto falta a da tua presença ao meu lado
Ardente é meu desejo,
fogo que me consome,
sede de te amar loucamente,
em noite quente e calida ao som de flautas junto ao mar

Iára Pacini

publicado por SISTER às 06:22

Quero
Vê-la passar
Num passo
Mais lento

Mais suave
Deslizando
Flutuando
Ao passar

Mulher bonita
Nunca deveria
Ter pressa
Ao andar

A pressa prejudica
Torna o caminhar
Deselegante

Quero vê-la passar
Elegantemente
A desfilar
ABittar

publicado por SISTER às 06:21

Voltarão as crisálidas curvando os arcos

      nos extremos sem esquerda ou direita

      que importa... duas brumas sem fronteiras

      a esvoaçar pelas searas em compasso.

      

      

      Luzes de estrelas em plena harmonia

      nas noites de minguantes ou crescentes

      em cadência...sol e lua na mesma vertente

      espelhando o rastro... caudal da ventania.

      

      

      E o mescla rosa e azul naquele horizonte;

      orvalhando em cristalinas gotas o sabor

      do eldorado que estampado não esconde

      

      

      ser do almíscar acetinado, o suave cintilar;

      tatuando em mesmo tom, o colibri e sua flor,

      no cálice deitado à terra , enfim, em pleno amar.

Milamarian

publicado por SISTER às 06:20

Bom dia, Solidão, chegou o outono,
lá fora o céu faz festa azul-nobreza.
Vem, senta-te comigo à minha mesa.
- vale lembrar-te, ainda sou o dono. -
Bebe o café e deixa essa tristeza
de lado e espanta as trevas do abandono.
Senhora Solidão, as desavenças
deixemos pra depois... Agora eu quero
sorver dessa poesia e sem ofensas
dizer-te em claro tom, sem lero-lero:
"à tonga da mironga", se ainda pensas
que casa de poeta é a morada
eterna, amiga e sempre preparada
para hospedar balofas de descrenças.

 

Nathan de Castro

publicado por SISTER às 06:19

Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


18

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tradutor
Música
mais sobre mim
pesquisar
 
Sister online
Selo

blogs SAPO