Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

24
Mai 08

 Entre versos e poemas... aprendi a viver,
                  Entre sorrisos e lágrimas... consegui ser alguém,
                  Caminhos segui... destinos escolhi,
                  Nas madrugadas muitas vezes me perdi

                  Nas sombras de mil noites... adormeci
                  Esquecendo aquele trilha tão desejada,
                  Enterrando o que eu nunca cheguei a ter
                  Sentindo esse querer que sempre quis que fosse só meu

                  E numa comum manhã de Primavera,
                  Algo mudou, o vento do nada se levantou
                  E no meu coração... semeou as sius lembranças
                  Suavemente... docemente... sem esforço

                  Me surpreendi ao relembrar tudo aquilo,
                  Que se atrevia em disparar meu mundo...
                  Que insistia em vislumbrar o meu segredo
                  Cheguei a ter medo de me revelar...

                  Mas mansamente soube me conquistar
                  Meu coração com suas palavras ,
                  E no meu corpo a paixão soube semear,
                  Em você e por você... me senti excitar...

                  Em seus braços, aprendi a confiar, a ousar,
                  Em mim despertou... o sapeca já esquecido,
                  Reavivou mais que uma simples emoção...
                  E o fogo perdido no fundo do meu coração

                  Nas suas palavras escrevi um poema,
                  Fomos doando a alma e construíndo o sonho
                  Num mundo imaginário que soube sobreviver
                  E criar raízes profundas nas areias do tempo

                  Loucuras imaginadas... sonhos idealizados...
                  Risos e lágrimas soltas... jogos disfarçados...
                  Na nossa intensidade... sempre simplicidade
                  Máscaras desnecessárias nesta imortalidade

                  Sonhos de amar... distâncias sempre vencidas...
                  Nas dobras das noite passadas nos seus braços,
                  Na areia da praia remexida por nossos corpos,
                  Nas suas carícias que souberam me fazer arder...

                  A lua, única testemunha de tantas noites de paixão
                  Suspiros, gemidos, corpos se acariciando,
                  Sussuros de pleno tesão... mordidas em justo gozo,
                  Presenciando o cúmulo do sonho e inicio duma emoção

                  Saciando meu corpo... hoje seu!... com meus versos,
                  Versos deslizando por seu corpo no mais profundo desejo


José Eduardo C. Trefiglio

 

publicado por SISTER às 06:54

Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO