Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

01
Dez 09


Eu me lembro, era pequena

Imagens se descortinavam ante a menina

Lembranças fugazes de bem pequenina

Enchiam recordações na imensidão da luz

E eu me lembrava da imagem colorida

Na minha infantil retina...



E bailavam fantasias coloridas

Ricas em contornos sedutores

E a menina pensava em todas as cores

Formas vividas, antigas, sem notar

Que foi sua vida-menina  cheia de flores...



E ela enrolando os cachos cheia de graça

Achatando o nariz na vidraça

Perdia suas imagens lá distante

Imaginando que era a lembrança da criança

Batendo  palmas, radiante...



Vinha no silêncio do observar

Mil memórias pra notar

Mas a menina se lembrava

De alguma coisa perdida,

 No meio do caminho esquecida

Só não podia entender

Tanta alegria em viver...



Com brilhantes faiscantes no olhar

Gritinhos de alucinar, sem parar

A menina-eu se alegrava

Do tanto que se passava

Nos cachinhos e põe-se a cantarolar...



 

publicado por SISTER às 13:40

01
Set 09

                    Quero voltar a me sentir mulher
                    Vibrante, amada, amante, apaixonada
                    Não como uma comum, uma qualquer
                    Quero ser aquela que fui outrora
                    Cheia de sonhos, ansiando planos
                    Pensando amar e me complementar
                    Ser só mulher e me embriagar...

                    Quero tirar dos ombros cargas pesadas
                    Livrar minha mente sempre carregada
                    Respirar liberta a minha própria imagem
                    Soltar as rédeas do meu coração
                    Ter desejos , atrações fatais
                    Ser mulher livre sem obrigação...

                    Quero voltar a me contaminar
                    Poder brincar só de namorar
                    Sentir carícias que venham me beijar
                    Em minhas ânsias pra poder desejar
                    Amar muito sem pestanejar
                    Ser ainda mulher pra poder sonhar...

                    Faz tempo me tranformei em fantasma
                    Alma penada das obrigações
                    Infeliz, vazia, cheia de desilusões
                    Sem me interessar mais meus vulcões
                    Deixar as armas d'alma no chão, em desalinho
                    Ser só uma sombra do meu próprio caminho...

                    Quero e desejo fazer ainda biquinhos
                    Estremecer com muitos chameguinhos
                    Viver sonhando só em me apaixonar
                    Viver de verdade só pra namoricar
                    Poder viver louca e me embriagar...

                    Ah! Que saudades dos meus encondidinhos
                    Dos segredinhos, pecando pecadinhos
                    De ser adolescente cheia de emoção
                    Descobrindo ser mulher cheia de paixão
                    Cativando um mundo só de ilusão
                    Mas perdi a luta, perdi meu chão...

                    De repente fui me transformando
                    Do amor louco fui me modificando
                    E a minha juventude só se apagando
                    Da ansiedade, restou só obrigação
                    Casada agora só restou pra ver
                    Muitas quimeras a se arrefecer...

                    Lembranças do tempo de outrora
                    Menina-moça, sonhos, ilusão
                    Nos meus encantos, alucinação
                    Desejando ser amada com muita paixão
                    Virei fantasma da minha vida de então...

                    Agora já pesada na idade
                    Sem ter mais aquela mocidade
                    Vivendo do meu passado, cheia de saudades
                    Lamentos soltos, sem ansiedades
                    Nada restou somente naufragou
                    Aquele meu sonho inteiro de amor...


                

publicado por SISTER às 13:30

12
Ago 09

                À noite já recolhida
                Quando os sonhos me embalam
                E o desejo me adormece
                Envolta em áureas serenas
                De um pensamento e uma prece...

                Fico enroscada em meus cachos
                Enrosco-me também em meus braços
                Mesmo sonhando dentro da fumaça
                Dos meus cigarros, fumando
                Embolando tudo, estou te esperando...

                E eu, abraçada na fumaça
                Que, em meneios saltitantes, subia a me perder
                Pego meus haustos flutuantes do cigarro
                Retenho-te em meus devaneios e querer te ver
                Mas distante de ti, meu padecer...

                A fumaça, entranhando em meus ouvidos
                No êxtase da procura, da presença
                Estática nos meus devaneios
                Querendo-te abrigado entre meus seios
                Inhalo teu amor em meus sentidos...

                E os anéis de fumaça em meus desvarios
                No tragar de esperanças e ilusões
                No reino febril de todas as fascinações
                Ergo-me heroica, de voz murmurante
                Fico na fumaça, ergo minha taça
                Anseio teu amor, louca e delirante...


               

publicado por SISTER às 07:45

04
Ago 09

Espreguiço-me

  Acordo dolente

  Estou despertando

  Mil idéias me acometendo

  Loucas ilusões, ainda vivendo...



  Transporto-me ao inconsciente

  Mil venturas me entontecendo

  Quero ainda viver a vida, ser vivente

  Emoldurando esferas, mesmo demente

  Com quimeras vividas, sempre presentes...



  Mas estar comigo sozinha

  É só castigo e não consigo

  Modificar minha vida, não ter lume

  Tateando, no escuro, antigas ambições

  Fico terna intensa, matizando todas as ilusões...



  Ah! Tempo malvado que não para nunca

  Cordas de violão que solam saudades

  Melancólicas notas de uma miragem

  Tintas, rubras de sangue, tingindo realidades

  Embaralhando sonhos em total felicidade...



  Vou coroar-me, fazer-me a rainha

  Dos teus sentidos, não quero ser só minha

  Esparramando sonhos, minha tácita querência

  Quero esmagar, em toda minha vivência

  A vida toda, que quero, se avizinha...



  Quero sorrisos loucos de paixão

  Quero milhões de afagos na imensidão

  Não quero mais em doses pequenininhas

  Quero, da vida, tudo que me fascina

  Desejar tudo na luz que me ilumina...



  Não quero mais atalhos, quero estradas

  Muito menos pétalas, quero ramalhetes

  De margaridas, rosas, flores em profusão

  Quero perfumes intensos, que me tirem a razão

  Quero ternuras mil, que me embriaguem o coração...



  Quero luas de indescritíveis claridades

  Quero dias ensolarados, que me deixem saudades

  Amores, muitos amores vestindo estas verdades

  De castas lembranças, suaves felicidades

  Quero tudo à mão cheia, plena de intensidades...s



  Não quero mais migalhas, quero porções

  Quero tudo que desejei um dia

  Nem quero faíscas de todas as ilusões

  Quero todas brilhando intensas em minhas emoções

  Turbilhões de anseios, afagando meus devaneios...




 

publicado por SISTER às 18:07

25
Jul 09

    ...Com o passar do Tempo...



                   O Tempo, nosso grande amigo...
                   O Tempo, nosso conselheiro...
                   O Tempo, nosso travesseiro de refúgios...
                   O Tempo, nosso maior aliado...
                   O Tempo, nosso Grande Mestre...
                   O Tempo, nosso Deus...
                   O Tempo que cura feridas...
                   O Tempo que ameniza sofrimentos...
                   O Tempo que amortece dissabores...
                   O Tempo que incendeia corações...
                   O Tempo que anula mágoas...
                   O Tempo que esclarece mal entendidos...
                   O Tempo que ensina trajetórias...
                   O Tempo que rememora saudades...
                   O Tempo que irradia esperanças...
                   O Tempo que memoriza ternuras...
                   O Tempo que equilibra julgamentos...
                   O Tempo que acalma sobressaltos...
                   O Tempo que diminui angústias...
                   O Tempo que recompõe ideais...
                   O Tempo que estimula corações...
                   O Tempo que aconselha dúvidas...
                   O Tempo que anula maledicências...
                   O Tempo que impõe gratidão...
                   O Tempo que sacrifica desventuras...
                   O Tempo que alivia saudades...
                   O Tempo que abranda irritações...
                   O Tempo que fatiga desvarios...
                   O Tempo que incendeia ilusões...
                   O Tempo que aguarda calmarias...
                   O Tempo que cala vozerios...
                   O Tempo que povoa sonhos...
                   O Tempo que justifica sobressaltos...
                   O Tempo que indica verdades...
                   O Tempo que evita desilusões...
                   O Tempo que compartilha alegrias...
                   O Tempo que ajuda a esquecer...
                   O Tempo que estimula à renuncia...
                   O Tempo que apoia no respeito...
                   O Tempo que faz continuar...
                   O Tempo que arrefece vinganças...
                   O Tempo que nos cala respostas...
                   O Tempo que avalia incompreensões...
                   O Tempo que compensa derrotas...
                   O Tempo que satisfaz fantasias...
                   O Tempo que enaltece verdades...
                   O Tempo que expulsa vergonhas...
                   O Tempo que valoriza emoções...
                   O Tempo que ampara descrenças...
                   O Tempo que fortalece ânimos..
                   O Tempo que esmorece rompantes....
                   O Tempo que pune no erro...
                   O Tempo que absolve no arrependimento...
                   O Tempo que dá mão no esquecimento...
                   O Tempo que leva à venturas...
                   O Tempo que nos aproxima de Deus...

               

publicado por SISTER às 13:45

06
Jul 09

Lá vem ela toda prosa.
Toda dengosa e sestrosa.
Com as palavras pela mão.
Vem recitando e cantando,
Sirigaita, murumurando.
Vem sorrindo e vem criando,
Um mundo só de ilusão...

Mirica, toma cuidado!
Anda com teus pés no chão.
A vida não são só flores.
Tem , também, desilusão.
Porisso, muita atenção!
Cuida do teu coração,
Anda com teus pés no chão...

Que desilusão, que nada!
Eu quero é cantar meus versos.
Quero recitar minhas rimas,
Vociferar meus desejos,
Quero sentir-me amada.
Tonitruantes anseios,
Reverberantes quimeras,
Carícias de outras eras...



 

publicado por SISTER às 11:14

25
Jun 09

Novelos, linhas embaraçadas
São como minha vida agora
Novelos de muitas cores
Herança de muitos amores
Fetiche dos meus anseios
Vida de meus devaneios...

Não estou só embaraçada
Estou mesma é toda enrolada
Com minhas lembranças passadas
Vou pensando, tentando agora
Jogar todas as laçadas fora
Sentir-me, novamente, amada...

Parecem tranças da vida
Da vida tão mal resolvida
Que me atrapalho em saber
Mal dizendo, estes novelos
Emaranham meus cabelos
Para depois curtir em tê-los...

Nós, nos meus fios grisalhos
Enrolando os meus pensamentos
Parecem mais uns lamentos
Enveredando soltos se misturando
Imitam mais os retalhos
Restos de grandes frangalhos...

Emaranhado dos meus cabelos
São feitos como novelos
Que querem me indicar
Mas prefiro enrolada estar
Que muita verdade chegar
Sem poder me consolar...

Assim, vou desfiando o novelo
Esfarrapada, mas também inebriada
Pois nestes fios que ainda estão
São fiapos de muita espera
São como se fossem taperas
Agasalhando meu coração...

Tantos nós que me alucinaram
Pessoas que por mim passaram
São desacatos tidos, desilusões
Que já de passada em passada
E com tanta poeira levantada
Mitigaram as decepções...

Vou novamente enrolando
Os novelos, completando
Pois se a vida é um eterno passar
Espero na dobrada da esquina
Possa me reabilitar e tentar
Sem nós para me emaranhar...

publicado por SISTER às 11:55

24
Jun 09

Envolventes, calorosas
Extremas e carinhosas...
Palavras que, em busca de afeto,
Imploram sentimentos de amor.
Quem, ainda, não entrou na sintonia de uma mulher?
Que, envolta na sublimidade de uma esperança sem par,
Espera, com ansiedade, gestos de carinho, sopros de ilusão
Mulher escolhida entre tantos seres, com tanto apuro
Demonstra, que entre mil, constroi sua vida em anseio seguro
Como haste de taças de carinho imenso, licores ternos multicores
Nectar de aromas celestiais, envolvendo o mundo
Espargindo ternuras brandas e amor profundo...
Deus deu infinitos misteres para serem cumpridos
Desde seu colo farto de alimento ao mundo
Leito em flor para desenvolver vidas, para erguer seu reino.
Reino de sublimação eterna, puras e celestiais etéreas .
Até, oferecendo seus íntimos labores, para sorrir com fé imensa.
Sentindo sua missão completa e plena,com os filhos que serão
Envolvidos em ternura intensa então...
Para dar sentido cheia de emoção
Ah! Cálidos sopros de puro alento , paz fremente, orgulho ardente...
Ei-la que em seu regaço. afaga seus rebentos, com amor
Amor de mãe, sublime capricho em flor...
Mas, Deus deu também a sedução vivente,
Deu- lhe o orgulho de ser formosa, ardente e fervorosa
Pra ser cativante, caprichosa e eterna glamourosa ...
Pra seduzir eternamente seu par, com amor profundo
Pra dar continuidade à construção do mundo...
Alicerçar seres que viverão
Com Deus e amor no coração

publicado por SISTER às 08:09

31
Mai 09

                      Há pessoas que já nascem flores

                      Espargindo encantos

                      Exalando cores

                      Apagando as dores

                      Afagando amores

                      Em tons multicores...



                      Há pessoas, que com seus encantos,

                      Afastam e enxugam os prantos

                      Adormecem nossos lamentos

                      Amenizam nossos sofrimentos

                      Eternizam momentos de amor

                      Oferecem perfumes, como uma flor...



                      Benditas sois vós, amadas criaturas

                      Mensageiras secretas, serenas de Deus

                      Que, distribuindo intensas ternuras

                      São as santas que nos dão abrigo

                      Que sendo flores, com múltiplos odores,

                      São presenças amigas, são uns amores...



                      Ah! Benditas sois, como perfeitas que são

                      Que vivem somente pela emoção

                      Que comovidas sempre dão a mão

                      Escolhidas que foram para ajudar 

                      Escolhidas pelo amor vêm nos ensinar

                      São rosas puras, sempre a fascinar...



                      Deixem-me as tuas mãos afagar

                      Sentir n'alma todo teu vibrar

                      Saber que pura posso me transformar

                      Ao tocar  com ternura  o que vêm me dar

                      Nas escalas melódicas, angelicais

                      Carinho amigo pra me ofertar ...


              

publicado por SISTER às 19:31

22
Mai 09

                      Eterno resfolegar
                      Que nunca vai acabar
                      São trechos que nos indicam
                      Indicam e só criticam
                      O que vão determinar...

                      Passa o passante ligeiro
                      Passa o velho a capengar
                      Passa a Morena Faceira
                      Sorrindo, fazendo besteira
                      Para os outros cativar
                      Para poder namorar...

                      Passa o sorriso maroto
                      Passa também o gargalhar
                      Passa a tristeza contrita
                      Passa o ôlho a piscar
                      Passam as rugas tranqüilas
                      Que a vida as fez criar...

                      Passa a Maria Miri
                      Passa também Guiomar
                      Passa a Jussara correndo
                      Catando o Waldemar
                      Passa a Maria das Graças
                      Sozinha a declamar...

                      Passam trechos de rua
                      Passam também quarteirões
                      Passam calçadas ligeiras
                      Correndo e aos trambolhões
                      Passa o fim de uma estrada
                      Dobrando a encruzilhada...

                      Passam as curvas da mulata
                      Gingando para encontrar
                      Os mesmos que anteontem
                      Na cegueira do olhar
                      Assoviaram ao vê-la passar
                      Passa  pra reencontrar...

                      Passa o casal abraçado
                      Passa o velho a procurar
                      Passa a mocinha tranqüila
                      Andando bem devagar
                      Passa a velha empertigada
                      Resmungando sem parar...

                      Passam os carros correndo
                      Passam degraus e patamar
                      Passam as brigas ligeiras
                      E as que querem xingar
                      Passa tudo de repente
                      Correndo só pra passar...

                      Passa o cenho cerrado
                      Passa o sorriso a brincar
                      Passa uma voz murmurando
                      Passa o rouco gritando
                      Passa também o silêncio
                      Calado sempre a pensar...

                      Passa a saudade sofrendo
                      E a esperança gemendo
                      Passa a alegria querendo
                      Jogar o sofrer pra lá
                      Passa o ciume tristonho
                      Com as penas que tem  que passar...

                      Passa o cachoro latindo
                      Arrastando pra correr
                      Passa a menina pedindo
                      Um querer seja qualquer
                      O que ela quer é ter
                      Motivos só pra querer...

                      Passa a cachaça zombando
                      Das bebidas do além mar
                      Passa o bêbado tomando
                      Seus goles sempre falando
                      Zombando e criticando
                      Quem não quer acompanhar...

                      Passa a mulher safada
                      Que quer tudo e não quer nada
                      Só quer trocar de calçada
                      Mudando sua pobre vida
                      Pra viver  mais iludida
                      Muito menos entristecida...

                      Passam as lágrimas e sorrisos
                      Passa o inferno e o paraíso
                      E as nuvens que vêm ligeiras
                      As chuvas vêm derradeiras
                      Molhando as faces  inteiras
                      Lavando todas as poeiras...

                      O ontem passou correndo
                      O hoje sempre gemendo
                      Passando bem devagar
                      E o amanhã, como virá?
                      Virá só para ver passar
                      Tudo que tem pra levar...


                    

publicado por SISTER às 09:21

Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


tags

todas as tags

tradutor
Música
mais sobre mim
pesquisar
 
Sister online
Selo

blogs SAPO