Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

18
Jul 09

      Faço poesia por que a alma dói!
      Aí escrevo, choro, sinto saudades, desejo....
      Faço poesia por que não encontrei remédio
      para o desapego, para o desassossego...

      E nesta busca incessante de amar
      e de ser amada de qualquer jeito,
      controlo as ânsias que invadem o peito!
      Converso comigo mesma sem preconceito...

      Escrevo! Escrevo mesmo! Está na alma
      esta falta de calma, esta ansiedade
      por querer melhorar o mundo...

      E antes tande que nunca, vou fundo:
      falo de todo tipo de amor com alarde
      deste amar que em meu peito arde!

publicado por SISTER às 17:58

04
Mar 09

Chegou a hora de ensinar a plantar flores!
Chegou a hora de esquecer os horrores!
Chegou a hora de viajar pelo infinito!
Chegou a hora de achar cada dia mais bonito!
 
Toda hora é hora de semear o bem!
Plantado onde o Pai o quer!
Acontece que os plantadores são poucos,
e para regar o sítio aceita-se quem vier!
 
Não há bem material que atenda
ao pobre coração sofrido!
É necessário que se entenda,
que a caridade é fruto bem nascido!
 
Ela não deve ser efêmera,
E precisa do acompanhamento do afeto!
Não se dá uma moeda ao pobre,
de cara feia, criando desafeto!
 
Ao órfão, mais carinho é do que ele precisa!
Ao velho, o abraço e a carícia!
A todos, ouvidos para ouvir e falar pouco!
Dar exemplo, a melhor lição,
porque há ouvidos moucos!
 
Sendo assim, flores desabrocham,
Guerras acabam,
O infinito é um passeio bendito
e as horas são poucas para tanto trabalho!

 
 

publicado por SISTER às 08:00

14
Dez 08


Se eu não amasse você,
que desastre de vida,
 boba e carcomida,
seriedade embutida
em baús de vida sofrida...

Se eu não amasse você, que desdita,
flecha desviada do foco,
existência bandida,
olhar entristecido
garoa congelante do inverno
montanhas cobertas de neve...

...belas e vazias,
existência rasteira,
 ser  que trôpego transita,
espalhando o mau humor,
o desiteresse,
 o esquecimento da flor...

Se eu não amasse você...
...mas amei, com furor,
enlouquecida,
 passei noites de ausência e horror,
 outras em sua companhia
Valeu! E muito amor!

publicado por SISTER às 10:44

21
Nov 08

      A boca cala do que o coração está cheio
      e fala do que o coração está vazio!
      Assim comumente acontece comigo,
      feliz, tenho medo, calo-me do doce enleio!

      Do coração vazio, choro, esperneio,
      preciso enchê-lo de amor a qualquer coisa
      nem que seja amor por mim mesma,
      mas sendo tanto, em sorrisos entremeio,

      Assim deve ser a vida de muitos,
      doar em cestos o amor que aumenta,
      e mais inventar, pois só ele alimenta

      um mundo caótico; e de permeio
      plantar flores, destruir agiotas...
      Ah! mundo defeituoso, pequena ilhota!

publicado por SISTER às 11:26

15
Nov 08

      Como luta a imperfeição para vencer a bondade!
      Como traz ela em si a chaga da dor!
      Parece facão cortanto o sol da tarde
      Imagem de desolação em campos de flor!

      Fujamos dela como foge o medo da coragem,
      desarmemo-la estudando com louvor!
      Dediquemo-nos com afinco às virtudes da vida:
      Solidariedade, Honestidade, Fidelidade...

      que de mãos dadas com o Otimismo,
      a Inteligência e o Companheirismo, darão
      espaços ao Caráter que povoará mente e coração.

      A imperfeição envergonhada e envelhecida,
       cederá à Lealdade, à Persistência e Responsabilidade,
       dominar-se-á a Vontade e a Justiça renascerá!

publicado por SISTER às 16:27

14
Nov 08


            Entrei na concha outra vez!
            Escondo-me das bobagens do mundo!
            Em tempo de hibernação
             descanso da regurgitação,
            do falar sem pensar ou pensando!

            Minha concha tão confortável,
            hora de refletir como viver
            o que deve mudar, permanecer ou perecer...
            dentro dela, brilho e aquieto a alma,
            mudo a rotina, reflito sobre o vir a ser...

            Quem sabe, com o verão, desabroche
            o meu sol interior, época de dourados,
            céus safira azulando o ar...
            enquanto partindo vai a primavera,
            e eu voltando a vicejar...

            Fiz caminhos contrários este ano:
            no outono, floresci,
            no inverno, trabalhei feito formiga ceifadeira,
            na primavera, inverno na minha concha,
            no verão, pretendo merecer o florescimento...

            É que, com o global aquecimento,
            minhas carnes queimam por dentro,
            perdi o fuso horário, reflito sobre amores...
            Estou trabalhando os rancores, as mágoas,
            e se conseguir, mudarei o meu lugar.

            Ou dentro de mim mesma,
            por dentro da concha me arrastando,
            ou arrastando as conseqüências
            dos erros e acertos vividos
             renovando e mentalizando positivos...

publicado por SISTER às 08:29

27
Out 08

      Eu sou desatenta,
      esquecida com coisas importantes,
      mas lá no fundo
      a alma de criança
      brinca com as futilidades...

      Muitos pensam sobre minha desatenção:
      'absurdo ela esquecer meu nome,
      escrevê-lo errado!'
      Eu também sou assim
      e corrijo o amigo! Situação inimaginável!

      No entanto o tempo vai passando,
      acelerado ou lento
      e percebo que o que antes me incomodava
      não me incomoda mais
      e o que não me amolava, agora perturba...

      Bela pessoa confusa,
      um dia sol, noutro lua, noutro chuva...
      e olhem: lua tem só quatro fases,
      mas eu me multiplico
      e me torno obtusa!

      Também, sei que não me conheço!
      Acho que me conheço!
      De repente, lá vem um tornado e me revira,
      giro pelo espaço,
      e me estatelo lá embaixo!

      Vivo dizendo, sou assim e assado!
      Ah! cabeça des/compensada,
      sou nada disto, faço e me desfaço,
      da rotina formo laços tristes;
      na agitação, prefiro a calma!

      Desta forma sou botão de flor,
      que murcha e renasce
      conforme as estações do ano,
      conforme o trem da vida,
      e assim, amorosamente vou levando...

      Crio saudades arrependidas,
      descasco abacaxis,
      mato leões todos os dias...
      Sinto prazer em cozinhar,
      passada a fase da cozinha...começo a odiar!

      Bordo as horas,
      adoro verdes abobrinhas,
      principalmente as feitas por minha mãe
      minha rainha...
      Meus filhos e neta, tesouros!

      Costuro-os todos na bainha!
      Por onde passo eles estão comigo enlaçados,
      nos pensamentos debruados
      amontoados de carinhos!
      Amo amigos e deles não me desfaço!

      Ilha que sou, às vezes me isolo,
      como amante, colo!
      Adoro colo e quando acho um...solo!
      Em sinfonia decoro na horizontal e na vertical
      a canção do Sol, da Lua e da Chuva

      Sou rio que deságua em plácidas lagoas,
      quando irada corro pro mar
      até me cansar...
      então pego do barco a proa
      e começo a marulhar...

      Aos marujos encanto
      com meus versos
      quando estes estão no cais
      buscando na mulher o universo,
      e como sereia serpenteio
      seus corpos necessitados de carinho...

      Ah! se a noite falasse,
      os gemidos nas camas contassem,
      haveria mentiras e verdades
      andando de mãos dadas pelo mundo à fora,
      mas sou rio, e rio corre

      até morrer no mar
      e em círculos voltar
      e formar nuvens, e molhar
      e se refazer
      no incessante vir a ser

      do alinhar a vida,
      do acontecer,
      do sobreviver,
      do apontar a direção
      para rejuvenescer!

      Sou tanto e não sou nada:
      criança, jovem, velha muralha!
      Aquela que de nada quer saber,
      e aquela que tudo acolhe,
      e aprecia amanhecer!

publicado por SISTER às 11:45

16
Out 08

Pinçar a transcendência,
Sem perder tempo,
 garimpar a competência,
Produzir bem estar...
Alto lance é se modificar para melhor,
Implementar mudanças:
Começar a fazer, parar de falar!
Melhorar-se no próprio lar do espírito: crer!
Cuidar do corpo, a casa da alma!
Satisfazer-se com detalhes de carinhosa calma,
 ser sempiterno...
Estes os lances, vulgarmente chamados de:
plantar uma árvore,
 amar uma criança,
regar uma flor,
escrever um livro,
mesmo que ninguém o leia, só você...
é investir no alto lance
da inteligência e da  sensibilidade,
 para perceber o quanto você é gente!
Assim provocará a incredulidade:
Pois como filho de Deus, é Eterno.

publicado por SISTER às 08:44

08
Out 08

Desfaço-me dos laços que aprisionam
      a alma imberbe; que proclamam
      escravidão a toda verve,
      que destróem sentimentos,
       sensações velhas ou infantes...

      Desfaço-me das flores falsas,
       das duas luas de agosto,
      do uivo do lobo da montanha,
      da gavião que quer ser águia real,
       das florestas de uma só semente...

      Desfaço-me de tudo que é irreal
      na procura constante da água que banha
      o espírito indolente,
      para que ele acorde e transponha
      as alças da ignorância latente...

      Desfaço-me do vivo-morto
      que só trabalha e tem desconforto,
      que nada lê, nem entende,
      que tudo quer ensinar
      e com tudo se ofende...

      Desfaço-me do crítico que nada constrói,
      de quem quer ser perfeito,
      do sujeito que só pensa no leito,
       sem pensar no leite...
      só pensa em nádegas a declarar!

      Quero me desfazer da burrice crônica
      que me ronda sem parar,
      das bobas bulas de remédio,
      dos remédios que matam,
      das conversas sem sentido...

      Uso a poesia para desabafar!
      Desfaço-me do bafo,
      das implicâncias,
      dos mandonismos
      dos polí/políticos especuladores da nação!

      E a lista não tem fim...
      De tanto me desfazer,
      penso em desfazer-me de mim...
      não me emocionaria pela criança abandonada,
      pelo animal maltratado...

      pelo velho sem família,
      pelo pouco voluntariado,
      pelos analfabetos,
      pelas escolas que não profissionalizam...
      Desfaço-me aos poucos, melhor assim...

 

publicado por SISTER às 07:53

19
Set 08

Ao caminhar no silêncio da noite,
      vejo as estrela, e te amo!
      Procuro a Lua, e, te amo!
      Ouço passos...e, te amo!
      Vou te amar sempre,
      por todos os espaços:
      nas flores que perfumam a noite,
      no sol que me dá bom dia,
      no carinho do cachorro de estimação
      que me acorda em afasia...

      Serás sempre bênçãos...
      esquecidas, lógico, as loucuras,
      as mentiras, as traições...
      Aproveitanso só gostosuras!
      Um saber viver! Um pensar:
      Tive um grande e louco amor,
       mesmo sem tu mereceres...
      Amei e amei muito...
      as raivas...só um pouco!
      Valeu ter-te, ouvido mouco!

publicado por SISTER às 06:44

Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


tags

todas as tags

tradutor
Música
mais sobre mim
pesquisar
 
Sister online
Selo

blogs SAPO