Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

30
Set 09


Existem poemas que demonstram grandiosa beleza e a profunda sensibilidade de seus autores. Dentre eles existe um que diz o seguinte:

 

Desejo, primeiro, que você ame, e que, amando, também seja amado. E que se não for, seja breve em esquecer. E que, esquecendo, não guarde mágoa.

 

Desejo também que tenha amigos, ainda que maus e inconseqüentes. Que sejam corajosos e fiéis, e que pelo menos num deles você possa confiar sem duvidar.

 

E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha adversários. Nem muitos, nem poucos, mas na medida exata para que, algumas vezes, você se interpele a respeito de suas próprias certezas.

 

E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo, para que você não se sinta demasiado seguro.

 

Desejo, depois, que você seja útil, mas não insubstituível. E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

 

Desejo, ainda, que você seja tolerante, não com os que erram pouco, porque isso é fácil, mas com os que erram muito e irremediavelmente, e que fazendo bom uso dessa tolerância, você sirva de exemplo aos outros.

 

Desejo que você, sendo jovem, não amadureça depressa demais, e que, sendo maduro, não insista em rejuvenescer, e que, sendo velho, não se entregue ao desespero.

 

Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor, e é preciso deixar que aconteçam no tempo certo.

 

Desejo, por sinal, que você seja triste, não o ano todo, mas apenas um dia. E que nesse dia descubra que o riso diário é bom, o riso habitual é insosso e o riso constante é insano.

 

Desejo que você descubra, com a máxima urgência, acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos e infelizes, e que estão à sua volta.

 

Desejo, ainda, que você afague um gato, alimente um cuco e ouça o João-de-barro erguer triunfante o seu canto matinal porque, assim, você se sentirá bem por pouca coisa.

 

Desejo também que você plante uma semente, por mais minúscula que seja, e acompanhe o seu crescimento, para que saiba de quantas muitas vidas é feita uma árvore.

 

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro, porque é preciso ser prático. E que pelo menos uma vez por ano coloque um pouco dele na sua frente e diga Isso é meu, só para que fique bem claro quem é o dono de quem.

 

Desejo também que nenhum de seus afetos morra, por ele e por você, mas que, se morrer, você possa chorar sem se lamentar e sofrer sem se culpar.

 

Desejo, por fim, que você, sendo homem, tenha uma boa mulher, e que sendo mulher, tenha um bom homem e que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes, e quando estiverem exaustos e sorridentes, ainda haja amor para recomeçar.

 

* * *

 

Muitas vezes, desejamos que a vida seja feita apenas de coisas que nos parecem agradáveis, esquecidos de que são os obstáculos que nos fortalecem e nos fazem evoluir.

 

São as responsabilidades que nos pesam aos ombros que nos mantêm com os pés no chão, e as forças contrárias servem de testes para nossa resistência.

 

Assim sendo, só podemos avaliar o valor das circunstâncias pelas lições que nos deixam depois que passam.

 

Pensemos nisso!

 

publicado por SISTER às 07:57


      prima_vera,
      nos prima com lindas eras,
      tão floridas, tão belas,
      elevando-nos a quimeras
      de esperanças deveras
      os corações cheios de amores
      desabrocham como flores
      espargindo cores
      da linda primavera!

publicado por SISTER às 07:55

      O tempo passa, mas para nós ele parece estacionado por que não o vemos passar.

      Cinquenta, oitenta ou cem anos não é um tempo longo demais para a vida que Deus nos destinou.

      Talvez o momento mais feliz de uma vida, seja aquele em que nos tornamos pais e mães.

      O amor que dedicamos aos nossos filhos não tem tamanho, por que é impossível medi-lo.

      A dedicação, os cuidados e a proteção talvez não existam comparação.

      Mas o tempo passa, o tempo caminha invisível, porem numa velocidade constante, e os filhos crescem. Cada um toma consciência de sua própria vida e segue o seu caminho, prospera no caminho escolhido e o tempo passa. Dos pais quase nem se lembram mais. Dos cuidados, da proteção e do amor, já não mais precisam, por que os conselhos lhe parecem ultrapassados, os velhos são por demais cafonas, não lhes acompanham no tempo.

      De repente o tempo lhes presenteia com filhos também, e estes passam a merecer e ter tudo o que eles já tiveram também. E o tempo passa, e com o tempo chega a cafonice, a ultrapassagem das épocas e até dos costumes. E então, só então os filhos parecem entender que o tempo caminha sem parar, só então eles percebem que alcançaram a idade da cafonice, a idade em que, para muitos filhos, os pais são atropelos e pedras que apareceram em seus caminhos. Mas eles percebem também que o tempo passou, o tempo caminhou, e com ele tudo mudou, mas só uma coisa não mudou, o amor que tivemos com os filhos continuou o mesmo, por que o tempo passou, mas nunca saímos da fonte do amor, a fonte que nos deu a vida entremeada de luz, essa luz que iluminou nossos antepassados, a nós, aos nossos filhos e aos filhos de nossos filhos, essa luz santa e bendita, a luz do amor.


 

publicado por SISTER às 07:53
tags:

      Quanto mais o tempo passa... maior  minha dor
      o não ter você ao lado, sua proteção
      que mundo é esse ao me fazer criança
      sem teu amparo...
      Agora conto horas pela ausência
      passo dias me questionando
      vejo a vida com olhos de outrora
      num infinito de saudades
      onde a raiva, angústia, tristeza
      elegem-se sentimentos apropriados
      do meu coração vazio...Sem esperança.
      As palavras de carinho
      todas as decisões impostas
      sem ao menos eu poder escolher...
      Quero-te comigo!
      Não consigo esquecer, a voz macia
      as nossas juras eternizando o amor da madrugada
      o brilho dos seus olhos apaixonado
      O estar junto por amor.
      Meu Deus, porque esta me fazendo sofrer tanto?
      Venho tentando muito,
      caminhar na solidão.
      Lembra amor, quando eu dizia o entardecer me entristece,
      tua  resposta era sempre a mesma:
      Não entendo isso, é uma hora linda!
      Agora eu sei, foi o momento que você me deixou...
      Força já não tenho, brigo com o passado
      o futuro sem poder contar com você
      não faz sentido viver...
      Amor por tudo que sonhamos
      pela cumplicidade que tivemos
      por tudo que vivemos
      eu sei que nunca vou te esquecer,
      mas por favor
      ensine-me a viver sem você!

 

publicado por SISTER às 07:51

Que somos amantes, tan solo virtuales,
tan lejos estamos, tan cerca te siento.
Jamás nos tocamos, tan solo sentimos,
así nos amamos los amantes virtuales.

Todo es fantasía, todo es ilusión,
pero se siente con mucha pasión.
Pasión de la carne, pasión de la mente,
que hace que vuele la imaginación.

Mis labios, tus besos dicen sentir,
mi cuerpo, tus manos siente tocarlo,
decirse podría que ambos sentimos,
la magia virtual que tanto anhelamos.

Finalmente entendemos, que nuestro
mundo tan solo es virtual, en donde
todo es un sueño y todo es fugaz
pero felices seguimos en él, porque
nos apasiona demasiado soñar.



 

publicado por SISTER às 07:50

      Ontem éramos um jardim de margaridas,

      

      Flor de bem-me-quer e amores-perfeitos.

      

      Hoje apesar de terem murchado as flores

      

      Permaneceu a memória dos nossos amores

      

      

      

      Passou por nós a estação do desassossego

      

      Tivemos o tempo que nos foi possível ter

      

      Agora simplesmente nos resta reconhecer

      

      Que viver sem o nosso amor não é viver

      

      

      

      Resta-me a saudade do nosso carinho

      

      A solidão desta angústia que me ronda

      

      E esta sensação de vazio que fez ninho

      

      Neste coração que se sente tão sozinho

      

      

      

      Sei que te perdi por razões tão banais!

      

      Peço-te perdão por haver errado demais

      

      Quem sabe se na dimensão de outra era

      

      Reviveremos o nosso amor na primavera

publicado por SISTER às 07:48

      Nesta busca percorri os vales do descaso,

      suplantei as dores vindas da humilhação,

      tornei-me tão rastejante que senti o gosto da própria terra...

      

      Em busca de teu calor aproximei-me do sol;

      e ele era gelado perto da lembrança que tenho de tua pele.

      Na busca de teus lábios fui em busca da lua;

      e ela não tinha o sabor do amor que advinha de teus beijos.

      Em busca dos teus olhos joguei-me nos oceanos;

      e, nem mesmo eles, tinham a dimensão da força de teu olhar...



      Agora solitário

      a percorrer caminhos estranhos

      lanço-me em meio ao acaso sem saber o que me espera,

      Quanto mais te busco,

      mais a lágrima da saudade me cobra tua ausência,

      Por mais que fuja de ti teu cheiro está entre meus lençóis

      e, neles, lanço-me para poder sentir-te...

      

      Ah!...Como sobreviver?

      Como continuar a trilhar este caminho imposto pela senhora vida

      se agora me sinto zumbi de meus pecados?

      Ah...Como corroi esta ausência de tuas mãos,

      das tardes em que trocávamos confidências

      da comunhão de corpos, da entrega de nossas almas?...



      Agora vem a senhora verdade -

      impiedosa - mostra-me que te Perdi,

      Como a sentença de minha própria morte

      a levar-me nos braços da Solidão...


      

    

publicado por SISTER às 07:46

  Cansado e,
   recém chegado aos jardins dos justos, sentei-me entre anjos,
  lágrimas de saudades umedeceram minha face sofrida...
  Saudades de seu rosto, de sua pele!...
  Saudades de seus olhos de amêndoas..

  Então, subitamente!...
  Disse aos seres que me cortejavam:
  - Não!...
  Quero meu amor onde está?...
  E os mesmos responderam-me:
  - Lá, do outro lado!...

  Olhei além das águas cristalinas,
  de onde só me vinha a escuridão,
  gritos atormentados...
  Então...D'entre os seres que jardinavam os campos floridos,
  descanso dos pés marcados pelas feridas,
  chegou-me uma voz que disse-me:
  - Pare!... Basta!...
  A quem procura esta lá! E,
  lá permanecerá para sempre!...

  Tomado pelo desespero,
  adentrei ao mundo das trevas,
  escondido, com a ajuda de anjos
  que exalavam jasmins...
  A tudo vasculhamos a tua procura e, lá, entre arbustos de espinhos,
  te encontramos,
  e tu, gritavas pela dor...

  Neste instante segurei-lhe em meus braços, e procedi a fuga,
  apesar da luta atroz,
  caíste em uma outra dimensão.
  O vazio infinito entre nós,
  e lá me perdi de ti e,
   sem ti por décadas fiquei...

  De um lado a dor
  de não poder vê-la!... 
  De outro a certeza
  que não mais sofrias...

  Até...Que depois de passados
  tempos de amargura,
  consegui te achar no universo,
  num lugar chamado terra!...
  Nosso primeiro olhar
  denunciou todo o amor guardado através do tempo.
  Um amor eterno!...
  O meu amor que era para ti...
  Passearemos de mãos dadas!...
  Lutaremos juntos pela realização deste amor que antes,
  estava condenado às trevas...

  Por ti avancei na escuridão,
  percorri vales sombrios,
  te libertei e, por ti agora
   percorrerei o mundo
  afim de que sejas feliz!..
  Se necessário fosse
  percorrer tantos outros
  vales de sofrimentos para ver-te feliz,
  tudo, e a todas as forças,
  novamente enfrentaria por ti!...

  Agora, livre enfim,
  das dores e lembranças do passado, vem comigo!...
  Vamos juntos, edificar nosso amor, um amor que será exemplo a todos os desesperados,
  Vem!...
  
  Assim é nosso amor!...
  Verdadeiro, vencedor sobre tudo e todas as forças contrárias,
  jamais morrerá,
  antes, vencerá o tempo,
  o espaço infinito por seu querer!...
  
  Amor enquanto verdade será sempre a maior das armas para as conquistas...

publicado por SISTER às 07:45

Ah! tarde aquela...

 

a ver-te fugir de mim,

 

ao encontro da sedução...

 

momento de dor profunda,

 

agonia da alma,

 

a qual a lágrima se fez companheira

 

dos dias e noites

 

por virem à espera de tua volta...

 

Em teu retorno,

 

a luta de desejar acreditar

 

que tudo era só mais uma aventura;

 

mas não: era o feitiço da sedução,

 

levando o amor à derrota.

 

Se destes momentos de dor

 

me fiz senhor

 

a suplantar a própria morte;

 

se o cansaço da solidão

 

me fez gêmeo de minha alma;

 

se os delírios a sentir-te,

 

mesmo sem tê-la,

 

me fez tolo amante da crença do amanhã...

 

Se, no hoje, vivo à espera do impossível,

 

o tempo se fez senhor da correção de minhas falhas,

 

transformando-me em mero leigo aprendiz de amor,

 

apresentando-me novo anjo,

 

para acalentar meu ser...

 

Tua distância, frigidez,

 

o modo carrasco a tratar-me,

 

dilacerou-me,

 

mas ao mesmo instante,

 

que me tomou o sorriso,

 

fazia-me acreditar

 

em forças como a crença, amizade;

 

gestos pequenos de carinho,

 

emanados, às vezes, da própria natureza,

 

através dos pássaros,

 

da chuva, do sol e da lua,

 

sentindo-me filho de alguém,

 

pronto a socorrer-me das feridas,

 

que me causaste...

 

Nesta tua partida,

 

se foi muito de mim,

 

mas não o todo;

 

se me retirastes o sorriso,

 

me deste o aprendizado;

 

me retirastes a mão amiga,

 

me deste oportunidade

 

de  conhecer outras mãos...

 

Se tentaste sepultar o amor,

 

falhaste: és, agora, derrotada

 

e, entre as cinzas desta louca paixão,

 

renovo-me e volto a estar ao lado do sol,

 

da lua e das estrelas;

 

do sol que me foi a luz,

 

mesmo em dias de trevas;

 

da lua que me foi mestra de romantismo

 

e das estrelas a fazer-me ver

 

que havia esperança;

 

que meu mundo imaginário,

 

feito de uma só estrela,

 

que era você,

 

estava errado,

 

pois lá existiam outras

 

à minha espera...

 

Ah! esta tua partida,

 

quanto levou de mim...

 

mas quanto mesmo

 

que, através da dor mais profunda,

 

devolveu-me...


 

 

publicado por SISTER às 07:43

      A pena cai entre folhas rabiscadas,

      versos inacabados,

      mãos que falavam de amor caídas, inertes...

      Os pássaros emudecem,

      a natureza pára...

      Os que esperavam mais uma vez pela poesia

      pelo encanto que toca a alma...

      Estarrecidos dizem: - 'E agora?'

      

      Anjos se preparam com potes de seus bálsamos celestes...

      E, entre os vales da sabedoria, àquele que falava com os anjos...

      Recebido em glórias para que a partir de então,

      não mais só fale com eles;

       mas que passe a ocupar um lugar entre eles...

      E de lá, do plano espiritual, livre enfim das dores da vida,

      da decepção da carne, o poeta passe a escrever

      e encantar outros que lá estavam à sua espera...

      

      Assim, o sorriso dos anjos ressurge na beleza, na pureza,

      no encanto e maestria de amor.

      Enfim o poeta recebe seu título e júbilo maior,

      Agora, é um anjo!...

      Poeta, que deixou em nossos corações saudades temporárias,

      Pois, certamente um dia, todos estaremos juntos

      E, entre anjos vamos trocar nossos versos...

      

      O poeta se foi...

      Deixou sua marca, e ela é eterna.

      Suas palavras, seu encanto, jamais, serão apagados...



      Tudo que é feito com os dogmas do amor jamais se apagará!

      Vá, meu poeta!

      Agora tu és anjo...



      Abençoe a todos nós e mande teus versos agora ao universo,

      vá encantar nosso Pai Celestial!



      Que te entrega enfim, a pena da sabedoria plena...


      

 

publicado por SISTER às 07:42

Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

14
19

26



subscrever feeds
tags

todas as tags

tradutor
Música
mais sobre mim
pesquisar
 
Sister online
Selo

blogs SAPO