Bem Vindos O que os homens chamam de amizade nada mais é do que uma aliança, uma conciliação de interesses recíprocos, uma troca de favores. Na realidade, é um sistema comercial, no qual o amor de si mesmo espera recolher alguma vantagem. La Ro

31
Mar 07

"Tira-me o pão, se quiseres,

 tira-me o ar, mas não

 me tires o teu riso.

 

 Não me tires a rosa,

 a lança que desfolhas,

 a água que de súbito

 brota da tua alegria,

 a repentina onda

 de prata que em ti nasce.

 

 A minha luta é dura e regresso

 com os olhos cansados

 às vezes por ver

 que a terra não muda,

 mas ao entrar teu riso

 sobe o céu a procurar-me

 e abre-me todas

 as portas da vida.

 

 Meu amor, nos momentos

 mais escuros solta

 o teu riso e se de súbito

 vires que o meu sangue mancha

 as pedras da rua,

 ri, porque o teu riso

será para as minhas mãos

 como uma espada fresca.

 

 À beira do mar, no outono,

 teu riso deve erguer

 sua cascata de espuma,

 e na primavera, amor,

 quero teu riso como

 a flor que esperava,

 a flor azul, a rosa

 da minha pátria sonora.

 

 Ri-te da noite,

 do dia, da lua,

 ri-te das ruas

tortas da ilha

 ri-te deste grosseiro

 rapaz que te ama,

 mas quando abro

 os olhos e os fecho,

 quando meus passos vão,

 quando voltam meus passos,

 nega-me o pão, o ar,

 a luz, a primavera,

 mas nunca o teu riso,

porque eu morreria."

 

 

  Pablo Neruda

 

 

publicado por SISTER às 06:55

Tirar dentro do peito a Emoção,

A lúcida verdade, o Sentimento!

-- E ser, depois de vir do coração,

Um punhado de cinza esparso ao vento!...

Sonhar um verso de alto pensamento,

E puro como um ritmo de oração!

-- E ser, depois de vir do coração,

O pó, o nada, o sonho dum momento...

São assim ocos, rudes, os meus versos:

Rimas perdidas, vendavais dispersos,

Com que eu iludo os outros, com que minto!

Quem me dera encontrar o verso puro,

O verso altivo e forte, estranho e duro,

Que dissesse, a chorar, isto que sinto!!

 

 

 (Florbela Espanca)

publicado por SISTER às 06:53

Nosso outono

É o renascimento

De uma vida melhor

Mais calmo, transborda a calma

Deste renascer maduro

 

Somos cheios de amor

Um amor que distribuimos

Sem pretensões

Mas com tranquilidade

 

É o amor do outono

Onde a experiência transborda

Em caminhos tranquilos

Onde o renascer, é

Puro amor.

Marici Bross

publicado por SISTER às 06:44

Uma vida bem vivida,
passa por diversas estações...
Finalmente aqui chegamos,
saimos da primavera,
passamos pelo verão,
sempre testando o coração...
Entramos em nosso outono...
Antes que chegue o inverno,
sabiamente aproveitamos
nossas experiências anteriores...
Em benefício de nossos amores,
Sabemos bem o que queremos...
Conhecemos da vida os segredos,
e afugentamos nossos medos...
Quando amamos,
será com um amor maduro,
gostoso, seguro...
Sabemos como amar,
e nossa parceria agradar...
Certamente, é a estação
melhor para o coração...
Nosso outono é gostoso,
cheio de prazer e de gozo...
Marcial Salaverry
publicado por SISTER às 06:43

29
Mar 07
Então...vem cá....
Vamos dançar sob a luz do luar
Sentir a brisa da noite
Ouvir a música e sussurrar
Me de a sua mão e vem me abraçar
Agora assim bem juntinho
Fechando os olhos
Seguindo os passos
Deixando se levar...
Sentir o coração batendo no peito
Os dedos tocando o pescoço
O cabelo roçando no rosto
Um leve arrepio no ar...
Vamos flutuar e  sonhar
Juntos baixinho cantar
Quando a dança terminar
O sonho vai se realizar
O momento para sempre lembrar
Um amor na cumplicidade guardar
 
Otto
publicado por SISTER às 07:09

Doce saudade,

daquela felicidade...

daquele momento,

que me tirou o tormento...

de não te ter...

de não te saber.

Após viver o amor,

em todo seu esplendor,

senti-me reviver...

fica agora este sentimento,

quase um lamento...

de uma doce saudade

daquele momento de felicidade...

você teve esse momento

você viveu o amor

em todo seu esplendor

por que esse lamento?

por que esse sentimento?

por que a saudade?

se você teve essa felicidade

responde ao meu lamento

me faz viver o amor

com todo esplendor

que você viveu

o seu amor...

 

Marcial Salaverry

publicado por SISTER às 07:08

Aconchegue-se junto à lareira
brinde ao calor que crepita
mantendo-te a alma aquecida
chama de amor! que te incendeia.
 
Traga o universo nas taças de vinho
vergue teus lábios em cálices sagrados
adormeça ao som do orvalho almiscarado
bordado em gotas no alvo linho.
 
Sente! a natureza já te presenteia
com o íris que nos céus já perde a cor
e ante a luz dos olhos teus...sombreia
 
E dos vermelhos telhados umedecidos
com as azuladas pérolas de amor
em beijos! ao teu rosto adormecido.
 
MILAMARIAN
publicado por SISTER às 07:08

Traço em compasso as linhas do teu rosto,

e em devaneio moldo-te numa imagem viva

em nave azul, do triângulo que desenho

nas linhas que imagino, nestas letras sem nexo

calor que idealizo em embriaguez de sonho!...

 

No sol dos teus afectos  me entrego atónito,

poeta destes dias, num indagar de epístolas

que te imagino no raiar dos dias, de cântico

de boca faminta de amor, em calor imortal

neste corpo que te oferto, e tem o meu sangue

 

És rosto terno em forma de denegada Musa

em pedra queimada pelos tempos, em gritos

de lábios rubros pedindo margens de beijos

que ficaram na fímbria das horas de ontem,

na boca calada que comigo arde pecando...

assim traço o teu rosto, num gesto cristalino!

©Ferdinando

publicado por SISTER às 07:06

Posso descrever meus passos até ela,

depois não, perdi o controle,

perdi a alma, o rosto, o corpo, os beijos,

perdi o jeito de sonhar, virei sonho.

 

 

Voltei a lembrança até dias antes de conhecê-la,

havia tédio, nenhum sorriso, era outono,

de repente um verão enorme antes da primavera,

meus planos flutuaram sem peso, tomaram tudo.

 

 

Dispenso os favores, quero amor, paixão,

não tenho hora marcada para amar, amo apenas,

como se ainda fosse dono de alguma alma,

não tenho magoa, nem vida, a tenho amante.

 

 

Abro as portas de um dia novo, amanhã,

deixei guardadas asas para se um dia precisar,

não tenho sombras, nem sobras de paixão,

apenas eu e um amor, completamente dela.

 

Caio Lucas

 Caio Lucas

 

publicado por SISTER às 07:04

Como se fosse uma lua

Seus olhos caminharam em meu corpo

Como se fosse uma brisa

Seus braços aconchegaram meu abraço

Como se fosse uma noite

Envolveu-me na imensidão do silencio

E como num mar azul

Navegamos no infinito secreto...

Num só amanhecer sereno

Como se fosse um raio do sol

Sua voz macia coloriu meu mundo

E numa madrugada, como navegante

Você partiu para outro porto

E como se eu fosse eterna

À beira de uma esperança

Fiquei esperando você.

Lira Vargas

publicado por SISTER às 07:02

Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


18

30


subscrever feeds
tags

todas as tags

tradutor
Música
mais sobre mim
pesquisar
 
Sister online
Selo

blogs SAPO